Morre a ex-primeira-ministra britânica Margaret Thatcher

Do UOL, em São Paulo

A ex-primeira-ministra britânica Margaret Thatcher morreu, nesta segunda-feira (8), aos 87 anos. Segundo seu porta-voz, a "Dama de Ferro", como era conhecida, sofreu um derrame.

"É com grande tristeza que Mark e Carol Thatcher anunciaram que sua mãe, a baronesa Thatcher, morreu em paz após um derrame nesta manhã", afirmou o lord Tim Bell.

Thatcher foi a primeira e até agora única mulher a ser premiê no Reino Unido. Ela liderou os conservadores a três vitórias eleitorais, governando de 1979 a 1990, o maior período contínuo no governo para um primeiro-ministro britânico desde o início do século 19.

Reformas econômicas radicais marcaram governo de Thatcher

A política se retirou da vida pública em 2002, quando já apresentava lapsos de memória e sinais de demência. Nos últimos dez anos, Thatcher sofreu vários derrames e foi hospitalizada por diversas vezes.

Repercussão

O atual primeiro-ministro britânico, David Cameron, afirmou que Thatcher era uma grande britânica.

"Com muita tristeza que fiquei sabendo da morte da Lady Thatcher. Nós perdemos uma grande líder, uma grande premiê e uma grande britânica", escreveu no Twitter.

Em uma breve entrevista, Cameron afirmou que Thatcher salvou o Reino Unido.

"A verdade sobre Margaret Thatcher é que ela não apenas liderou o nosso país. Ela salvou o nosso país", disse Cameron. "Ela morre como a maior primeira-ministra do Reino Unido em tempos de paz."

Cameron, que está na Espanha, cancelou uma viagem que faria à França e voltará ainda nesta segunda-feira (8) ao Reino Unido.

A rainha Elizabeth 2ª expressou seu pesar pela morte da ex-primeira-ministra britânica Margaret Thatcher e enviará uma mensagem particular à família, informou hoje o Palácio de Buckingham.

Conheça as frases mais famosas de Thatcher

"Na política, se você quer que algo seja falado, peça a um homem. Se quer que algo seja feito, peça a uma mulher" (1982)

"Gosto de estar no centro das coisas" (1984)

"A rainha está aflita por saber da morte da baronesa Thatcher e Vossa Majestade enviará uma mensagem particular de solidariedade à família", dizia um breve comunicado da residência oficial da Família Real britânica.

O ex-primeiro-ministro trabalhista do Reino Unido Tony Blair disse que  Thatcher foi uma figura política "imponente" e teve um profundo "impacto global".

"Muito poucos líderes conseguiram mudar não só o panorama político de seu país, mas do mundo inteiro", afirmou Blair em um comunicado. Margaret Thatcher, que governou o Reino Unido de 1979 até 1990, era "uma verdadeira líder", acrescentou.

Blair disse que "algumas das mudanças" realizadas por Thatcher se mantiveram, "pelo menos em certos aspectos", quando ele se tornou primeiro-ministro, em 1997, e também foram imitadas por "governos de todo o mundo".

Além disso, Blair elogiou a personalidade de Thatcher: "como pessoa era amável e de espírito generoso e sempre se mostrou incrivelmente disposta a me ajudar como primeiro-ministro, apesar de sermos de pólos políticos opostos".

"Inclusive se não concordava com ela em certos aspectos, em algumas ocasiões fortemente em desacordo, não poderia deixar de respeitar sua personalidade e sua contribuição à nação britânica", disse Blair, que foi líder do Partido Trabalhista entre 1994 e 2007.

"Este é um dia maravilhoso, estou muito contente", declarou David Hopper, chefe regional do Sindicato dos Mineiros no nordeste da Inglaterra. "É o meu aniversário de 70 anos hoje, e este é um dos melhores dias da minha vida", comemorou ainda.

A Assembleia Legislativa das Ilhas Falklands, ou Malvinas, elogiou a "determinação" que Thatcher mostrou contra Argentina, e expressou a ela seu eterno agradecimento."Sempre será lembrada nas ilhas por sua determinação ao enviar uma força naval para libertar nossa casa depois da invasão da Argentina em 1982", declarou Mike Summer, em nome de todos os membros da Assembleia.

"Thatcher morreu impune, sem ser julgada, não vai ser lembrada como alguém que tenha contribuído para a paz", afirmou Mario Volpe, líder dos veteranos da guerra nas ilhas Malvinas entre Argentina e a Grã-Bretanha em 1982.

O presidente norte-americano Barack Obama afirmou que, com a morte de Thatcher, os Estados Unidos perderam uma verdadeira amiga e o mundo uma defensora da liberdade.

"Como partidária sem complexos de nossa aliança transatlântica, sabia que, com força e determinação, podíamos ganhar a Guerra Fria e estender a promessa de liberdade", afirmou Obama em um comunicado.

O ex-presidente americano George Bush pai elogiou a ex-primeira-dama, a quem chamou de "líder de caráter incomum e uma das mais ferozes defensoras da liberdade" no século 20. "Barbara e eu ficamos profundamente tristes ao nos inteiramos da morte da baronesa Thatcher, e estendemos nossas sentidas condolências a seus filhos e entes queridos", disse.

O também ex-presidente americano Bill Clinton manifestou sua tristeza e caracterizou Thatcher como uma "mulher de Estado emblemática e uma líder sem medo", além de grande aliada dos Estados Unidos. "O Reino Unido perdeu uma mulher de Estado emblemática e uma líder sem medo. Os Estados Unidos perdem uma de suas amigas mais queridas e aliadas mais apreciadas", afirmou Clinton.

Thatcher e o ex-presidente americano Ronald Reagan eram "almas gêmeas políticas", afirmou a viúva do ex-chefe de Estado americano, Nancy Reagan.

"Todos sabem que meu marido e Lady Thatcher mantiveram uma relação muito especial como líderes de seus respectivos países durante um dos períodos mais difíceis e cruciais da História moderna. Ronnie e Margaret eram almas gêmeas políticas, comprometidos com a liberdade e decididos a acabar com o comunismo".

A atriz americana Meryl Streep, vencedora do Oscar de melhor atriz por interpretar Margaret Thatcher no filme "A Dama de Ferro", em 2011, afirmou que a falecida ex-primeira-ministra britânica foi uma pioneira para as mulheres: "Margaret Thatcher foi uma pioneira, voluntária ou involuntariamente, para o papel das mulheres na política. É difícil imaginar uma parte da nossa história atual que não tenha sido afetada por medidas que ela implementou na Grã-Bretanha", afirmou a atriz.

A chanceler alemã Angela Merkel homenageou Thatcher ao classificá-la de "líder extraordinária de nossa época".

"Soube com grande tristeza da morte de Margaret Thatcher. Primeira-ministra durante muitos anos, marcou o Reino Unido moderno como poucos o fizeram, antes ou depois dela. Foi uma líder extraordinária de nossa época", declarou Merkel citada em um comunicado.

"Margaret Thatcher era uma grande personalidade política e uma pessoa brilhante. Ela permanecerá na memória e na história", declarou, citado pela agência Interfax.

O ex-presidente polonês e histórico líder do sindicato Solidariedade, Lech Walesa, afirmou que Thatcher contribuiu para a queda do comunismo na Europa.

"Lástima. Era uma grande personalidade que fez muito pelo mundo, que contribuiu para a queda do comunismo na Polônia e na Europa do Leste, com (o presidente americano também morto) Ronald Reagan, o Papa João Paulo 2° e o sindicato Solidariedade", declarou Lech Walesa.

Os presidentes do Chile e da Colômbia, Sebastián Piñera e Juan Manuel Santos, respectivamente, lamentaram a morte de Thatcher.

Para o mandatário chileno, a morte de Thatcher representa uma perda enorme não somente para a Inglaterra, mas para todo o mundo. "Quero expressar meus pêsames e minha solidariedade com a família de Margaret Thatcher e com o povo inglês porque ela foi uma mulher que fez uma grande contribuição para a Inglaterra", assim como para a queda "do muro de Berlim, da Cortina de Ferro", destacou.

O presidente da Colômbia, por sua vez, disse lamentar a morte da Dama de Ferro, como era conhecida, pois ela era uma mulher "controversa, valente, com caráter e amiga" de seu país.

O papa Francisco expressou seu pesar pela morte de Thatcher, destacando seus valores cristãos e "a promoção da liberdade no concerto das nações".

A declaração foi repassada pelo cardeal secretário de Estado do Vaticano, Tarcisio Bertone, em um telegrama enviado ao primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, e tornado público pela Santa Sé. O pontífice, disse Bertone, ressaltou os valores cristãos nos quais Thatcher "baseou seu compromisso com o serviço público e a promoção da liberdade no concerto das nações".

Funeral

Thatcher terá um funeral cerimonial na catedral de St. Paul, anunciou o governo, descartando um funeral de Estado.

"Downing Street pode anunciar que, com o consentimento da Rainha, Lady Thatcher receberá um funeral cerimonial com honras militares", declarou em um comunicado, sem informar uma data.

Biografia

Margaret Hilda Roberts nasceu numa família de pequenos comerciantes, em 13 de outubro de 1925, em Grantham, Lincolnshire, na Inglaterra. Boa parte de sua formação deu-se na pequena congregação metodista que sua família frequentava.

Thatcher foi figura política central do século 20


Thatcher foi uma das mais influentes figuras públicas do século 20. Seu legado teve um efeito profundo nas políticas de seus sucessores, tanto conservadores como trabalhistas, enquanto seu estilo considerado radical e agressivo definiu seus 11 anos no comando do Reino Unido

Estudou em escola pública e ganhou uma bolsa para química na Universidade de Oxford. Foi eleita presidente da associação conservadora de Oxford, onde iniciou sua vida política.

Candidata pelo partido Conservador em Dartford, sobressaiu-se pela clareza de seus discursos e conquistou eleitores. Na cidade de Dartford conheceu também seu marido, Denis Thatcher, em 1951, um empresário da indústria do petróleo. Tiveram dois filhos gêmeos, Mark e Carol.

Nos anos 1950, Margaret Thatcher especializou-se em direito tributário. Em 1959 foi eleita para a Câmara dos Comuns. Dois anos depois, tornou-se secretária de Estado para Assuntos Sociais e, no início dos anos 1970, foi nomeada ministra da Educação, durante o mandato de Edward Heath.

Em 1975, substituiu Heath na direção do partido Conservador. Implementou um projeto de redução da intervenção do Estado na economia e cortou gastos sociais, seguindo um liberalismo estrito.

Em 1979, o partido Conservador ganhou as eleições por ampla margem de votos. Margaret Thatcher tornou-se a primeira mulher a dirigir uma democracia na Europa, sendo eleita primeira-ministra do Reino Unido.

Governou com pulso firme até 1990, ganhando o apelido de "Dama de Ferro", por suas posturas inflexíveis. Conseguiu bons indicadores econômicos, com o controle da inflação e a valorização da moeda. No entanto, não pôde evitar o aumento do desemprego.

Em 1982, Thatcher envolveu-se na Guerra das Malvinas, o que aumentou sua popularidade. Nesse ano foi reeleita por uma ampla margem de votos.

Novamente reeleita em 1987, porém com uma margem menor de vantagem, entrou em conflitos com seu próprio partido, renunciando em favor de John Major em 1990.

Margaret Thatcher
Margaret Thatcher

Notícias relacionadas

titulo-box Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos