Bolívia anuncia nacionalização de mineradora da empresa suíça Glencore

Em La Paz

  • Juan Karita/AP

    Evo Morales concede coletiva no último dia da 42ª Assembleia Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), em Cochabamba, na Bolívia

    Evo Morales concede coletiva no último dia da 42ª Assembleia Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), em Cochabamba, na Bolívia

O Governo do presidente Evo Morales nacionalizará a mineradora Colquiri, instalada no ocidente da Bolívia e pertencente a uma filial da empresa suíça Glencore, informou neste domingo o ministro da Presidência, Juan Ramón Quintana.


O funcionário disse aos meios de comunicação estatais que a decisão foi tomada em uma reunião com os sindicatos de mineiros nacionais e do povo de Colquiri, no departamento de La Paz, embora não anunciou quando a medida será concretizada.

A Glencore opera na Bolívia diversas minas por meio da filial Sinchi Wayra, que controla a companhia Colquiri para a exploração de zinco e estanho em uma mina com cerca de 400 operários.

Em 2007 e 2010, Morales também expropriou duas empresas de fundição de metais da Glencore, que levou os casos à justiça.

Quintana ainda ressaltou que a decisão de nacionalização não incluirá as áreas aprovadas na mesma região à Cooperativa 26 de Fevereiro, embora tenha dito que se a maioria de os cooperativistas solicitarem, o Governo pode assumir o controle de suas operações.

No entanto, os dirigentes da Federação Nacional de Cooperativas de Mineiros, grupo influente no Governo e com uma grande capacidade de mobilização, rejeitaram a nacionalização e advertiram que responderão com um bloqueio das estradas.

O líder da federação, Albino García, disse à imprensa que ocorrerá "um conflito nacional".

Desde que chegou ao poder, o presidente boliviano nacionalizou várias companhias em diversos setores, como os de hidrocarbonetos, eletricidade, telecomunicações, mineração e cimento.

 



Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos