André Santana

André Santana

Siga nas redes
Só para assinantesAssine UOL
Opinião

Morte de influenciador expõe adoecimento mental nas redes sociais

Rodrigo Amendoim, influenciador digital baiano, aos 24 anos, foi mais uma vítima da combinação nociva entre adoecimento mental e redes sociais.

Os transtornos psíquicos, como a depressão, avançam na mesma rapidez e abrangência com as quais as plataformas digitais impõem sua presença nas relações humanas.

A fama e os ganhos financeiros não conseguem suprir direitos fundamentais à cidadania, não garantem o respeito e nem completam ausências de afetos e da autoestima moldada pelo racismo e pelo desprezo pela pobreza.

Amendoim gravou vídeos se dizendo cansado das ofensas

O jovem foi encontrado morto em seu apartamento na cidade de Lauro de Freitas, região metropolitana de Salvador, no último sábado (28). O caso foi registrado como suicídio e está sendo investigado pela Polícia Civil da Bahia.

Relatos dos amigos narram carências afetivas de Amendoim e sua dificuldade em lidar com as ofensas que recebia nos comentários de seus vídeos de humor, em meio aos muitos elogios e aplausos dos seus mais de 1,5 milhão de seguidores.

Em vídeos publicados, Mendo, como também era conhecido, compartilhou seu cansaço diante daqueles que não torciam pelas suas conquistas: de vendedor de amendoim a divulgador de marcas famosas, o que garantiu a aquisição de bens e acesso a espaços requisitados.

As postagens de jovens influenciadores da periferia, com carros de luxo, imóveis, joias e viagens, significam para muitos que os acompanham a realização da tão sonhada entrada na sociedade do consumo, em outros tantos desperta inveja e frustração diante da ostentação daquilo que lhe é tão distante.

São percepções ilusórias, que não garantem a esses jovens a compensação por tantas outras ausências, em especial, a cidadania e o respeito de um país que maltrata pobres, pretos, moradores das periferias.

Frantz Fanon analisou a busca do homem negro por ser aceito

O tempo inteiro julgados por tentarem participar de espaços que não os esperam, que não aceitam as suas presenças, esses jovens precisam provar incessantemente que são merecedores das vitórias.

O desafio, em primeiro lugar, é enfrentar o amor-próprio e a autoestima deteriorados por abandonos, rejeições e violências sociais.

Também é difícil o convencimento do seu próprio público que, parecido com ele, em corpos e trajetórias, não conseguem aceitar a imagem projetada no espelho, já que sempre soube que pessoas como eles não podem vencer.

Os traumas causados pelo racismo e pelo colonialismo na autoimagem e na autopercepção das pessoas negras, em especial no homem negro, foi analisado com rigor científico e empírico pelo psiquiatra e filósofo da Martinica Frantz Fanon (1925-1961).

Em obras como "Pele Negra, Máscaras Brancas", de 1952, Fanon demonstra como, na sociedade estruturada pelo racismo colonial, a autoestima do homem negro é determinada pelo olhar de desaprovação do branco.

Quando me amam, dizem que é apesar da cor da minha pele. Quando me detestam, se justificam dizendo que não é pela cor da pele. Em uma ou outra situação, sou prisioneiro de um círculo infernal
Frantz Fanon em "Pele Negra, Máscaras Brancas"

Diante de um empreendimento colonial de animalização e infantilização, mesmo no esforço de fazer uso de máscaras brancas, a aceitação social não virá para os corpos de pele negra. Assim, o homem negro vive o tormento de tentar ser, ao menos, um homem, já que sua humanidade é negada pelo racismo.

Podemos associar também à Síndrome de Cirilo, que li pela primeira vez em um texto de Mabia Barros, do Blogueiras Negras, relacionando as atitudes do personagem da novela infantil à postura do homem negro que absorve a imposição de inferioridade e se ressente por não ser igual ao seu rival.

O resultado é a revolta, o auto-ódio, a violência como resposta e o desprezo pela própria vida.

Ofensas violentas nas redes sociais agravam transtornos mentais

A capacidade de fazer rir, o jeito sincero de falar das suas frustrações amorosas, o compartilhamento do seu dia a dia de lutas e conquistas e a felicidade em viver a experiência de ser pai de um bebê de apenas nove meses não foram suficientes para humanizar a vida de Amendoim, que não foi poupada das ofensas e dos comentários levianos de quem não tem compromisso algum com os sentimentos do outro.

Com tranquilidade e consciências limpas, os frequentadores dessas redes sociais, estimulados à interação pela rapidez dos cliques, lançam graves acusações e violências motivadas por preconceitos arraigados e antes reprimidos no convívio social.

O escritor italiano Umberto Eco (1932-2016), que explorou em seu último romance, "Número Zero", os perigos do sensacionalismo, da desinformação e da manipulação da verdade, condenou a forma como a internet promoveu os "idiotas da aldeia" a portadores da verdade.

As redes sociais dão o direito à palavra a uma legião de imbecis que antes falavam apenas em um bar e depois de uma taça de vinho, sem prejudicar a coletividade
Umberto Eco

No tribunal das redes sociais, todos são convidados a exercer o papel atroz de julgadores e executores das sentenças determinadas pela fúria coletiva em punir quem ousa se expor.

Em caso de corpos negros, a punição é ainda mais violenta, na proporção da ousadia em se impor, contrariando a lógica racista do apagamento e da submissão.

As plataformas digitais passaram a integrar a complexa rede de manutenção das estruturas de poder racial, que determina quais cidadãos merecem viver gozando de direitos e reconhecimento das suas capacidades e aqueles que devem ser eliminados.

Se já não bastasse o genocídio em curso eficientemente executado pelo Estado em suas políticas de mortes pelo aparato policial. Se já não havia espaços seguros para a circulação de corpos negros no cotidiano social das ruas; se as imagens projetadas nos ambientes de poder simbólico das mídias tradicionais e da estrutura escolar, com suas narrativas que falam sobre o negro pela lógica racista desumanizadora.

Tudo isso agora potencializado pela abrangência, rapidez e alcance ilimitado das redes.

O ambiente digital é tão doentio que, após o trágico acontecimento com Amendoim, os seguidores passaram a destilar seu rancor de forma irresponsável contra os amigos do influenciador.

Com ainda mais agressividade, o também baiano Cristian Bell está sendo cobrado por não ter impedido a morte do amigo, criticado por fazer vídeos expondo seu sofrimento pela perda do parceiro e ainda questionado por tornar público que destinaria apoio financeiro para os familiares providenciarem o sepultamento.

Parem de dizer que a culpa foi minha, vocês querem me adoecer. Eu era o pai de Mendo, eu perdi um filho. Estou despedaçado
Cristian Bell, em desabafado, chorando

Mas até a veracidade das suas lágrimas foi colocada em dúvida por "perseguidores" que destilam o ódio.

É urgente olharmos com atenção para o drama social do adoecimento mental. Precisamos do interesse público, do engajamento coletivo, da responsabilização governamental e familiar e de espaços de acolhimento que não sejam as redes sociais digitais.

Não podemos perder mais nenhum jovem em sua potência criativa para a violência deste ambiente de agravamento das dores psíquicas pela superexposição.

Procure ajuda profissional

Se você está passando por um momento difícil ou se percebeu em alguém próximo a intenção do suicídio, procure o Centro de Valorização da Vida, o atendimento é realizado pelo telefone 188 (24 horas por dia e sem custo de ligação), ou pelo site cvv.org.br/

Outra opção é procurar, em sua cidade, o Centro de Atenção Psicossocial (Caps) -- estrutura do Sistema Único de Saúde (SUS) composta de equipes multidisciplinares que fazem o atendimento a pessoas com problemas de saúde mental.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes