PUBLICIDADE
Topo

#Use Amarelo: nostálgicos da ditadura criticam campanha pela democracia

Ricardo Kotscho

Ricardo Kotscho, 72, paulistano e são-paulino, é jornalista desde 1964, tem duas filhas e 19 livros publicados. Já trabalhou em praticamente todos os principais veículos de mídia impressa e eletrônica. Foi Secretário de Imprensa e Divulgação da Presidência da República (2003-2004). Entre outras premiações, foi um dos cinco jornalistas brasileiros contemplados com o Troféu Especial de Direitos Humanos da ONU, em 2008, ano em que começou a publicar o blog Balaio do Kotscho, onde escreve sobre a cena política, esportes, cultura e histórias do cotidiano

Colunista do UOL

26/06/2020 17h12

É muito maior a quantidade de nostálgicos da ditadura militar do que a gente poderia imaginar.

Esta é a estarrecedora conclusão a que cheguei ao ler os comentários de leitores da Folha sobre a campanha # Use Amarelo pela democracia que será lançada neste final de semana.

No online do jornal, ainda há um certo equilíbrio entre os que elogiam ou criticam a iniciativa, mas no comercial publicado no Youtube vi um verdadeiro massacre dos comentários em defesa da ditadura.

Se não são robôs, é preocupante.

Como isso é possível, apenas 35 anos após a redemocratização do país?

Não é que as pessoas não saibam o que aconteceu. Mesmo sabendo, e tendo vivido naquela época, muitos ainda defendem a ditadura, quase sempre com os mesmos argumentos de que no tempo dos militares não havia violência nem corrupção, e o Brasil era um paraíso terrestre, ameaçado pelos "comunistas", o que não é verdade.

Isso só torna a campanha da Folha mais necessária nesse momento em que grassam a desinformação e a lavagem cerebral nas redes sociais.

A nova pesquisa Datafolha sobre a avaliação do governo Bolsonaro, divulgada nesta sexta-feira, ajuda a entender o fenômeno: 32% da população ainda considera como ótimo e bom esse governo paramilitar, com um presidente eleito, que sempre defendeu a ditadura na Câmara, embora diga que ela nunca existiu.

Para esse terço da população, é como se as torturas, a censura, a cassação de mandatos, as prisões e as mortes de milhares de pessoas fossem apenas uma invenção dos que combateram o regime militar e lutaram pela redemocratização do país.

Em tempo: sobre esse período trevoso da nossa história, estarei conversando com o jovem cartunista João Montanaro numa live do ciclo de debates da Folha, na próxima quarta-feira, 1º de julho, às 11 horas.

Bom fim de semana.

Vida que segue.

Balaio do Kotscho