Carlos Madeiro

Carlos Madeiro

Siga nas redes
Reportagem

Alagoano José espera coração no mesmo hospital de Faustão graças ao SUS

O alagoano José Higino da Silva, 40, foi levado na quarta-feira (23) de Maceió para São Paulo, onde está internado no hospital Albert Einstein. Ele aguarda um coração a qualquer momento, na lista prioritária de doação do órgão.

Desempregado devido ao problema cardíaco e sem plano de saúde, José está na mesma condição do apresentador Fausto Silva graças ao SUS (Sistema Único de Saúde). Ele terá a internação e o procedimento cirúrgico, em hospital referência no país, bancados pelo SUS, que é quem controla a lista de doação de órgãos no país.

A história de José

José Higino está inscrito na fila de transplante de coração em Alagoas desde março. Ele sofre de insuficiência cardíaca há nove anos.

Após seis internações e uma complicação, o alagoano foi para a fila prioritária de doação. Essa lista inclui pessoas que não podem esperar muito tempo por um órgão vital.

Provavelmente não teríamos um doador em tempo hábil, e ele poderia vir a óbito. Por isso foi incluído na lista de transplante em São Paulo. Submetemos o caso de Higino ao Ministério da Saúde, e ele foi aceito.
Daniela Ramos, coordenadora da Central de Transplantes de Alagoas

No Albert Einstein, ele está internado na UTI, onde passa por uma bateria de exames. José foi transportado por uma equipe médica em um avião da FAB (Força Aérea Brasileira) de AL para SP há dois dias.

O atendimento aqui é 100%. Toda hora tem alguém me vendo. Estou fazendo exames para deixar tudo pronto, porque o coração pode surgir a qualquer momento, não há prazo. Estou confiante, tenho fé em Deus que vai dar tudo certo.
José Higino, direto da UTI do Albert Einstein

Vendedor e mototaxista em Maceió, José está afastado das atividades devido à doença. Ele hoje recebe apenas benefício do INSS.

Continua após a publicidade

Como José conseguiu ir ao Albert Einsten?

Uma programa do Ministério da Saúde banca esse tipo de procedimento. José está internado em um hospital referência no Brasil para transplantes e que se notabiliza por receber as pessoas mais ricas e famosas do país.

O alagoano foi incluído no programa de transplante do Einstein pelo Proadi-SUS (Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde). A ação ajuda os estados na assistência a pacientes que demandam serviços que as unidades locais não são capazes de fazer.

O Proadi foi criado em 2009. O programa apoia com atendimento, recursos humanos, pesquisa, avaliação e gestão demandados pelo Ministério da Saúde. A ação reúne seis hospitais sem fins lucrativos que são referência no país:

  • Hospital Alemão Oswaldo Cruz
  • Beneficência Portuguesa de São Paulo
  • Hcor
  • Hospital Israelita Albert Einstein
  • Hospital Moinhos de Vento
  • Hospital Sírio-Libanês

Em 13 anos do Proadi, foram R$ 7,9 bilhões de recursos gastos no SUS. Pelo acordo com a Saúde, os hospitais investem valores correspondentes à imunidade fiscal que têm por serem entidades filantrópicas.

Continua após a publicidade

José na lista prioritária

José Higino só teve direito a prioridade porque a lista de espera por transplante de órgãos é única. A ordem nacional é definida com base em critérios técnicos, como gravidade e compatibilidade com o doador do órgão.

No caso do Faustão, ele está internado desde o dia 5 de agosto no mesmo hospital, também incluso na lista à espera de um coração.

José Higino no momento da transferência de Maceió para São Paulo
José Higino no momento da transferência de Maceió para São Paulo Imagem: Secretaria de Saúde de Alagoas

"Falta muito doador no país"

Conseguimos fazer, dentro do Einstein, coisas que alguns hospitais públicos não conseguem. No caso de transplante, as equipes são as mesmas, seguem os mesmos protocolos e usam os mesmos materiais, sejam pacientes do privado ou do SUS.
José Eduardo Afonso Jr., coordenador médico do Programa de Transplantes do hospital Albert Einstein

Continua após a publicidade

No caso de José Higino, ele foi direcionado por ser um paciente grave e que poderia precisar de recursos para se manter vivo até o surgimento de um doador — tecnologia que o Einstein tem, a exemplo do ECMO (que funciona como coração artificial).

O coordenador explica que muitos pacientes acabam indo a São Paulo fazer o transplante porque o estado é o mais populoso do país e fica próximo de outros grandes estados, onde há mais doadores.

Para o caso de coração, a corrida é contra o tempo: o período ideal para que um órgão seja captado do doador e inserido no novo corpo é de até 4 horas. Isso dificulta, por exemplo, que um paciente em Maceió consiga receber a tempo um órgão captado no Sul ou Sudeste do país.

Mais da metade dos transplantes de coração são feitos em São Paulo. Falta muito doador no país todo, e São Paulo não é diferente. A gente estima que seriam necessários 1.500 transplantes, mas o país só faz 350 por ano.
José Eduardo Afonso Jr.

65,9 mil pessoas esperam por transplante no Brasil, 386 delas por um coração. Os dados são do Ministério da Saúde, de 16 de agosto.

No Brasil, a doação de coração depende exclusivamente da autorização dos familiares de uma pessoa com morte encefálica, segundo a ABTO (Associação Brasileira de Transplante de Órgãos).

Continua após a publicidade
Unidade Morumbi do Hospital Einstein, onde são realizados os transplantes
Unidade Morumbi do Hospital Einstein, onde são realizados os transplantes Imagem: Kiko Ferrite/Divulgação

Reportagem

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes