Carlos Madeiro

Carlos Madeiro

Siga nas redes
Só para assinantesAssine UOL
Reportagem

Jovem alfabetizada pela mãe gari usa livros doados e é aprovada em medicina

Depois de três anos seguidos fazendo o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), Angélica Óton, 20, finalmente conseguiu realizar o sonho e vai cursar medicina na UFPB (Universidade Federal da Paraíba).

Chegar até a faculdade não foi uma tarefa fácil para a jovem que mora em Boa Ventura, cidade com 5 mil habitantes encravada no semiárido da Paraíba: ela foi alfabetizada pela mãe e ainda enfrentou privações financeiras dos pais para bancar o estudo dos filhos.

Angélica é filha de Maria do Rosário, 47, e João Salviano, 51, servidores da Prefeitura de Boa Ventura há 15 anos. Ambos passaram na função de gari —mas Salviano mudou de cargo em 2018 após um problema de saúde e hoje é vigia.

Antes de morar em Boa Ventura, ela residia em Curral Velho, cidadezinha com 2,2 mil habitantes no semiárido paraibano. "Lá não tinha nenhuma escola para a minha idade, e minha própria mãe me ensinou a ler e a escrever aos 4 anos de idade."

A matrícula na escola só veio aos 6 anos, quando ela se mudou para Boa Ventura —e precisou "pular" turmas para acompanhar os colegas.

Lembro que eu contava à minha mãe sobre meu medo infantil de nunca estudar e ser 'burra'. Daí viemos para cá e eu tive mais oportunidades. Precisamos de muita força para superar tudo isso.
Angélica

Livros doados

Apesar de não ter sido aprovada no curso de medicina logo após o fim do ensino médio, ela não desistiu de tentar uma vaga no curso mais concorrido da UFPB.

Para isso, em 2022 e 2023, precisou estudar em casa, sozinha, já que os pais não tinham dinheiro para pagar um cursinho.

Continua após a publicidade

Eu estudei com livros que foram doados por um rapaz chamado Arthur, que mora em João Pessoa e passou para medicina também na UFPB. Assim que ele foi aprovado, meu tio conhecia a família e entrou em contato, e aí ele me deu.
Angélica

Os livros eram do ensino médio e de alguns cursinhos que ele tinha feito para conseguir a aprovação.

Minha mãe apagava as respostas, e eu respondia e acompanhava os assuntos pelas apostilas e fazia resumos e as questões que estavam neles. Também via aulas no YouTube.
Angélica

Livros doados que Angélica usou para estudar para o Enem
Livros doados que Angélica usou para estudar para o Enem Imagem: Arquivo pessoal

Angélica foi aprovada na ampla concorrência, após tirar nota 797,86 no Enem, o suficiente para conseguir a primeira opção do Sisu (Sistema de Seleção Unificada).

"Vou retribuir"

Angélica sabe do esforço dos pais para dar uma boa educação a ela e ao irmão e guarda uma dívida com eles.

Continua após a publicidade

Meu maior objetivo é retribuir pelo menos 1% do que eles fizeram e ainda fazem. Quero dar uma qualidade de vida e uma casa melhor a eles, conforto e descanso.
Angélica

Prédio do Centro de Ciências Médicas da UFPB em João Pessoa
Prédio do Centro de Ciências Médicas da UFPB em João Pessoa Imagem: Angélica Gouveia/UFPB/Divulgação

Mas ela não quer apenas ajudar os pais, como quer voltar para servir seus conterrâneos como médica. Para isso, diz, pretende se especializar em medicina da família ou ginecologista/obstetra.

A escolha pela medicina foi por conta das dificuldades encontradas nos atendimentos pelo SUS. Mas um dia, em especial, marcou a jovem.

Eu adoecia frequentemente e precisava de internação hospitalar, muitas vezes por ano. Em uma dessas vezes, estávamos na fila de espera para um atendimento, eu estava bem doente, e minha mãe me disse que se um dia eu fosse médica ou algo do tipo, eu deveria lembrar de como éramos, de onde vínhamos e deveria ajudar famílias como a nossa.
Angélica

As aulas de Angélica começam apenas em outubro, já que o calendário da UFPB está atrasado, e ela foi chamada apenas para a turma que inicia os estudos no segundo semestre do ano letivo.

Continua após a publicidade

Bolsista por ser melhor aluna

Angélica passou por dois pequenos colégios no ensino fundamental até chegar ao Colégio Monteiro Lobato, de Itaporanga, cidade vizinha de Boa Ventura, onde cursou ensino médio como bolsista.

Premiação de melhor da turma no 1º ano do ensino médio
Premiação de melhor da turma no 1º ano do ensino médio Imagem: Arquivo pessoal

Para conseguir —e manter— a bolsa, havia uma condição: ser a melhor aluna da turma. E ela conseguiu em todos os anos. "Mesmo assim era pesado, meus pais pagavam livros caros, a locomoção para a cidade vizinha."

Eu e meu irmão tivemos sempre muito acesso à educação dada por eles, e por isso deixamos de ter coisas melhores em casa para não faltar nada nos estudos. Isso foi um diferencial.
Angélica

Os bons resultados vieram. Além da aprovação de Angélica, o irmão dela, Samuel Robério, 22, passou em odontologia da UFCG (Universidade Federal de Campina Grande) e atualmente está no último ano do curso..

Continua após a publicidade

Apegada à religião, a mãe deles não esconde o orgulho.

Sempre foi meu sonho e do meu esposo. Estamos extremamente felizes e confiantes. Sou uma mulher de fé, sempre acredito que vai dar certo.
Maria do Rosário

Maria conta que, para pagar a educação dos filhos, a família teve de fazer escolhas e renunciar algumas coisas. "Vivemos em uma casa humilde, de poucos móveis e muitos livros", diz.

Angélica Óton e os pais
Angélica Óton e os pais Imagem: Arquivo pessoal

Reportagem

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes