PUBLICIDADE
Topo

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido
Seu cadastro foi concluído!
reinaldo-azevedo

Reinaldo Azevedo

mauricio-stycer

Mauricio Stycer

josias-de-souza

Josias de Souza

jamil-chade

Jamil Chade

Carolina Brígido

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

TSE quer ouvir Bolsonaro sobre novas provas em ação sobre cassação

Presidente Jair Bolsonaro - Eraldo Peres/AP Photo
Presidente Jair Bolsonaro Imagem: Eraldo Peres/AP Photo
Carolina Brígido

Escreve sobre Judiciário, especialmente o STF, desde 2001. Participou da cobertura do mensalão, da Lava-Jato e dos principais julgamentos dos últimos anos. Foi repórter e analista do jornal "O Globo" de 2001 a 2021. Foi colunista a revista "Época" de 2019 a 2021.

Colunista do UOL

15/07/2021 04h00

Assim que terminar o recesso, em agosto, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) deve intimar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para se manifestar sobre as novas provas incluídas no processo que pode levar à cassação do mandatário e do vice, Hamilton Mourão.

Chegaram na quarta-feira (14) ao gabinete do ministro Luís Felipe Salomão provas do inquérito dos atos antidemocráticos que tramita no STF (Supremo Tribunal Federal). O compartilhamento foi autorizado pelo relator do inquérito, ministro Alexandre de Moraes, que integra o TSE e o STF.

Moraes vai presidir o TSE nas eleições de 2022. A decisão tomada por ele mostra que ele será rígido na condução da campanha. Bolsonaro é investigado na corte eleitoral por suposta participação em uma rede de disparo em massa de notícias falsas na eleição de 2018.

Segundo integrantes do TSE, o volume de provas é extenso e os ministros ainda não tiveram a chance de avaliar se os novos elementos são fortes o suficiente para justificar a perda do mandato de Bolsonaro. Logo na primeira semana de agosto, Salomão e Moraes devem se reunir para discutir estratégia, procedimentos - e, quem sabe, novos compartilhamentos.

As investigações do TSE mostram que o esquema de disparo em massa teria sido financiado por empresários, via caixa dois, para a disseminação de informações falsas. Bolsonaro teria sido beneficiado pelo sistema durante a campanha.