PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Chico Alves


Twitter derruba várias contas de bolsonaristas do inquérito das fake news

Roberto Jefferson apareceu nas redes sociais empunhando um fuzil contra "comunistas" - Twitter/Divulgação
Roberto Jefferson apareceu nas redes sociais empunhando um fuzil contra "comunistas" Imagem: Twitter/Divulgação
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

24/07/2020 14h48

O Twitter tirou do ar contas de militantes bolsonaristas acusados de propagar fake news e discurso de ódio. As mensagens publicadas por Allan dos Santos (o Allan Terça Livre), Sara Winter, Roberto Jefferson, Oswaldo Eustáquio, Bernardo Kuster, Edgard Corona, Otávio Fakhoury, Luciano Hang e mais oito que figuram no inquérito das fake news do Supremo Tribunal Federal não aparecem mais na plataforma, uma das principais para a divulgação dos ideias olavistas.

Segundo Kuster afirmou, em vídeo postado no You Tube, as contas foram derrubadas por ordem judicial. "Quem precisa do Projeto de Lei das Fake News quando se tem o Alexandre de Moraes para cortar os perfis? Neste Brasil é proibido ser conservador raiz, é proibido ser cristão", reclamou.

Kuster já havia perdido a sua página no Facebook, assim como outros cujos nomes estão relacionados no inquérito do STF, e também teve há um mês o seu canal no YouTube desmonetizado.

"É uma tentativa de calar a direita, até onde isso vai?", questionou a deputada Carla Zambelli (PSL-SP), em vídeo postado para prestar solidariedade aos afetados. "Querem nos afastar da possibilidade de estarmos no poder. Isso é gravíssimo, um ataque à liberdade de expressão generalizado a quem é de direita"

Já o youtuber Felipe Neto comemorou a derrubada das contas e disse que outras serão atingidas. "Tenho aqui dossiês completos e detalhados com centenas de postagens dessa turma", escreveu ele no Twitter. "Inúmeras infrações das normas das plataformas, até mesmo diversos crimes cometidos por algumas das pessoas. Tudo isso será usado na hora certa. MUITAS das contas ainda não foram derrubadas".

Chico Alves