PUBLICIDADE
Topo

Chico Alves

Primeiro Bozo do Brasil aprova apelido de Bolsonaro e reprova carreatas

Wanderley Tribeck e Bozo - Divulgação
Wanderley Tribeck e Bozo Imagem: Divulgação
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

25/01/2021 04h00

Os ativistas de esquerda e de direita que fizeram carreatas no sábado e no domingo em várias cidades do Brasil tinham algo mais em comum além de reivindicar o impeachment de Jair Bolsonaro. Nos dois grupos, muitos manifestantes usaram o mesmo apelido para se referir ao presidente da República: Bozo.

O batismo vem desde a campanha eleitoral, quando militantes adversários não queriam escrever nas redes sociais o sobrenome Bolsonaro, sob a alegação de que o estariam promovendo. Foi assim que o então candidato passou a ser chamado pelo nome do palhaço que foi campeão de audiência no SBT, de 1980 a 1982. Nas carreatas do fim de semana, o apelido voltou com força.

Primeiro a interpretar o personagem no Brasil, Wanderley Tribeck, hoje com 70 anos, diz que chamar Bolsonaro de Bozo é o mesmo que elogiá-lo. "Bozo é um personagem sério, um personagem bom, honesto", disse ele à coluna. "Eles não têm nada a dizer de ruim sobre o personagem".

Tribeck é eleitor de Bolsonaro. Abandonou a carreira artística e há sete anos se tornou pastor da Assembleia de Deus na cidade catarinense de Criciúma, onde, segundo ele, a manifestação a favor do impeachment foi pequena. "Meia dúzia de carrinhos, só", afirma.

Carreata que pede impeachment de Bolsonaro  - Reprodução do Twitter - Reprodução do Twitter
Imagem: Reprodução do Twitter

"O pessoal tinha que parar com esse negócio, por muito tempo a onda vai ser Bolsonaro", defende Tribeck. "Não adianta a mídia ficar pegando no pé do filho dele, no pé da mulher dele. O cara que é Bolsonaro é igual ao cara que é flamenguista: não muda".

Em fevereiro do ano passado, ele fez um vídeo em apoio ao presidente, que reproduziu a gravação em suas redes sociais.

O ex-palhaço não concorda com as críticas feitas ao ocupante do Palácio do Planalto pelos erros no combate à pandemia. Repete a argumentação divulgada por Bolsonaro de que ele foi impedido de atuar pelo Supremo Tribunal Federal, que teria repassado a responsabilidade a estados e municípios (não é verdade: os ministros decidiram que a ação é compartilhada).

"Sou cristão, a favor da família, contra as drogas e contra o aborto. Bolsonaro segue a cartilha de Deus e eu gosto dele por isso. Enquanto continuar assim vou votar nele sempre", diz Tribeck.

Ele gosta que usem o nome de Bozo para se referir ao presidente. "É sinal que ainda lembram de mim", orgulha-se.