PUBLICIDADE
Topo

Chico Alves

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Com terceira onda à vista, Bolsonaro inova e cria a aglomeração motorizada

Bolsonaro em desfile de motocicleta - Pedro Ladeira/Folhapress
Bolsonaro em desfile de motocicleta Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

23/05/2021 04h00

Com 440 mil mortos na pandemia e a vacinação em ritmo lento, o que os brasileiros mais esperam do seu presidente é que ele saia por aí a passeio, montado em uma possante motocicleta. Aparentemente, é esse o pensamento de Jair Bolsonaro, que hoje circula no Rio à frente de extenso cortejo em duas rodas.

O Brasil é responsável por 13% das mortes por coronavírus do planeta, os sedativos para o chamado kit intubação continuam escassos, ainda faltam leitos de UTI e a terceira onda da pandemia parece inevitável, mas para o presidente fundamental mesmo é seu compromisso com os apoiadores motoqueiros.

Afinal, o que é uma pandemia perto da campanha antecipada à reeleição? Isso, sim, é prioridade.

Foi certamente por isso que o chefe da nação evitou gastar tempo com a reunião enfadonha como aquela do G20, realizada na sexta-feira. Participaram líderes de países como Reino Unido, Holanda, México, Indonésia, Itália, Japão, Canadá, Espanha, França, Alemanha, China, Argentina, Turquia, África do Sul e Coreia do Sul.

Bolsonaro escapou para o Maranhão, onde cumpriu mais uma agenda pré-pré-eleitoral, inaugurando uma ponte e disparando ofensas contra adversários políticos.

Pouco importa para ele se no encontro do G20 foi anunciada doação de 30 milhões de doses de vacinas ao consórcio Covax, que o Brasil poderá deixar de receber por conta da omissão do presidente. O foco é na pré-pré-candidatura, 2022 é logo ali.

O que realmente interessa a Bolsonaro é passar ao eleitor a ideia de coragem contra o vírus. Além disso, se esforça para incentivar as pessoas a se aglomerarem.

Tanto que criou a aglomeração motorizada.

Essa modalidade foi vista pela primeira vez em Brasília, quando ele e seus apoiadores motoqueiros circularam por alguns quilômetros sem máscaras, expelindo perdigotos ao vento.

Repete a dose hoje no Rio e fará o mesmo em outras cidades. Sorridente, como se o país estivesse em boa fase, ele vai à frente do pelotão motorizado, em busca de aplausos de personagens com camisa da seleção.

A bordo de sua máquina, Bolsonaro deve ter a mesma sensação de liberdade decantada por todos os motoqueiros e eternizada em filmes como o lendário "Easy Rider", de 1969.

Nessa película, as cenas em que Peter Fonda e Dennis Hopper engolem as estradas americanas, tendo ao fundo a música "Born to be Wild", da banda Steppenwolf, dão bem a dimensão do que o presidente e os motobolsonaristas devem sentir.

Com o vento no rosto, fica mais fácil esquecer chateações como a cobrança pelo uso de máscara, a pressão por mais vacinas, o desgaste da CPI da Covid. Ao som do ronco do motor, o presidente e sua trupe vão se imaginar selvagens como os personagens de Fonda ou de Hopper.

As más línguas, porém, talvez digam que existe outra semelhança. É a tradução brasileira para o título do road movie, muito apropriada para Bolsonaro.

Aqui, o clássico "Easy Rider" foi batizado como "Sem Destino".

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL