PUBLICIDADE
Topo

Chico Alves

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Para Luis Miranda, acusação de denunciação caluniosa visa intimidá-lo

O deputado Luis Miranda (DEM-DF), no plenário da Câmara  - Najara Araújo/Câmara dos Deputados
O deputado Luis Miranda (DEM-DF), no plenário da Câmara Imagem: Najara Araújo/Câmara dos Deputados
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

21/07/2021 12h51

O deputado Luis Miranda (DEM-DF) classificou como "absurdo" o pedido feito pela Policia Federal ao Supremo Tribunal Federal para que seja investigado por denunciação caluniosa. Segundo a requisição, ele teria cometido o crime contra o presidente Jair Bolsonaro. A solicitação foi feita pelo ministro da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos, por conta da afirmação feita por Martins de que levou ao presidente a denúncia sobre um esquema de corrupção na compra da vacina indiana Covaxin.

"A decisão se o presidente deveria ter feito algo (sobre as denúncias na compra da Covaxin) ou não, se prevaricou ou não, isso não cabia a nós e não nos coube", afirma Miranda, referindo-se também ao irmão, Luis Ricardo, que esteve com ele na audiência com Bolsonaro. "Não fomos nós que denunciamos, mas os próprios senadores que encaminharam ao Supremo o pedido de pra que se investigasse o presidente".

Para o deputado, o entendimento de que cometeu denunciação caluniosa não tem base jurídica e é uma tentativa de intimidação antes do depoimento que vai prestar à PF. "Tentam calar a testemunha, já que a imprensa já sabe que eu tenho todas as provas", afirma.

Luis Miranda disse que está tranquilo. "Confio na Polícia Federal e sei que o STF não vai cair nesse joguinho", disse.