PUBLICIDADE
Topo

Chico Alves

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Ex-ministros da Saúde querem proibir internação em comunidades terapêuticas

Fachada do Ministério da Saúde na Esplanada dos Ministérios - Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Fachada do Ministério da Saúde na Esplanada dos Ministérios Imagem: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

04/08/2021 13h47

Em manifesto divulgado hoje, sete ex-ministros da Saúde dos governos Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff e Jair Bolsonaro pedem o fim da internação de jovens em comunidades terapêuticas. Segundo eles, esse tipo de serviço desvirtua a "política pública de atendimento à saúde mental de crianças e adolescentes desafiou diversas gestões do Ministério da Saúde".

Comunidades terapêuticas são instituições privadas que prestam serviços a pessoas com transtornos decorrentes do uso, abuso ou dependência de substâncias psicoativas. Quase 70% dos recursos do ministério para esse fim são direcionados a entidades evangélicas,

Diz o texto: "A proposta de confinar crianças e adolescentes em comunidades terapêuticas desorganiza o financiamento público do SUS, voltando-se a entidades privadas, sem articulação com a rede de educação, saúde e assistência, e muitas vezes ofertando apenas orientação religiosa".

Os ex-ministros argumentam que essas "comunidades" mantêm crianças e adolescentes fora da escola, em locais sem fiscalização, sem atendimento técnico adequado e sem contato constante com seus familiares e responsáveis, essencial para seu desenvolvimento saudável.

O documento destaca que é "primordial focar a atenção e cuidado de meninos e meninas nos equipamentos públicos e dispositivos comunitários de atenção psicossocial, que atuem de maneira intersetorial e privilegiem o cuidado em liberdade, formando cidadãos e respeitando os direitos humanos de crianças e adolescentes".

Assinam o manifesto os ex-ministros da Saúde Humberto Costa (2003-2005), José Saraiva Felipe (2005-2006), Jose Agenor Alvarez da Silva (2006-2007), José Gomes Temporão (2007-2011), Alexandre Padilha (2011-2014), Arthur Chioro (2014-2015) e Nelson Teich (2020-2020).