PUBLICIDADE
Topo

Chico Alves

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Deputado quer anular mudança que tira Xangô do símbolo da Fundação Palmares

Atual logomarca da Fundação Cultural Palmares, com o símbolo do machado de Xangô, divindade do candomblé - Divulgação
Atual logomarca da Fundação Cultural Palmares, com o símbolo do machado de Xangô, divindade do candomblé Imagem: Divulgação
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

24/08/2021 12h31

O deputado estadual fluminense Átila Nunes (MDB) enviou representação ao Ministério Público Federal para anular o edital de criação do novo símbolo da Fundação Palmares. A entidade, presidida pelo polêmico Sérgio Camargo, planeja substituir o atual, que homenageia Xangô, orixá tido nas religiões afro como rei da justiça, por outro que deve ter "formas e cores que remetam única e exclusivamente à nação brasileira".

Na representação, o deputado argumenta que a alusão à divindade africana se justifica pela característica da entidade. "Importante se torna dizer que a Fundação Cultural Palmares é uma instituição representativa negra e não há justificativa válida para que sua marca não possa representar elementos da cultura afro-brasileira", argumenta ele.

Associações representativas de designers lançaram nota de repúdio pelo mesmo motivo em que argumentam também que o edital é tecnicamente inconsistente, já que não estabelece critérios sobre o concurso e não identifica quem serão os avaliadores.

O deputado Átila Nunes afirma que a mudança do símbolo é motivada por racismo religioso e desrespeito cultural.

"Nosso país foi construído com muito sangue negro e não aceitaremos, sob quaisquer circunstâncias, que nossos símbolos ou de outras comunidades consideradas marginalizadas, sejam rejeitados como símbolos da nação brasileira", diz o texto da representação.