PUBLICIDADE
Topo

Chico Alves

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Emissão de porte e posse de arma tem atraso por causa de protesto da PF

Sede da Polícia Federal, em Brasília - Marcelo Camargo/Agência Brasil
Sede da Polícia Federal, em Brasília Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

23/05/2022 09h41

O descumprimento da promessa de Jair Bolsonaro, que acenou à categoria dos policiais federais com reajuste significativo e reestruturação da carreira, levou os delegados a fazer uma "operação padrão" que começou na sexta-feira (20). Estão sendo priorizadas atividades essenciais voltadas à segurança pública, como o combate ao tráfico e à corrupção. As atividades administrativas estão recebendo menos atenção, o que prejudica uma das áreas de maior interesse do presidente, a emissão de posse e porte de armas.

Em média, a aprovação da posse sai em 10 dias e a do porte é dada em 30 dias. Com o protesto, as autorizações podem levar até 60 dias, que é o prazo legal. Nota da Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (ADPF) cita a possibilidade de suspensão do serviço.

O texto, divulgado na quinta-feira (19), diz que a associação vai cumprir o que foi determinado na assembleia geral. A nota culpa o governo pelo transtorno: "O impasse causado pelo próprio governo federal, propagando informações conflitantes, equivocadas, com mudanças frequentes de posicionamento, vem gerando clima de instabilidade, revolta e insatisfação, algo nunca antes visto pelos Delegados de Polícia Federal. Da mesma forma, frisa-se a importância do tratamento isonômico entre as carreiras, evitando-se outros desgastes".

Luciano Leiro, presidente da ADPF criticou à coluna o posicionamento do presidente Bolsonaro de que a reestruturação de carreiras policiais não contará com a PF. Ele reclama também que a instituição que trabalha em inquéritos cujos alvos são personalidades ligadas ao Palácio do Planalto passe por dificuldades.

"É preocupante observar o tratamento que o presidente da República tem dado à Polícia Federal e aos policiais federais. Causa estranheza que das forças de segurança da União, apenas aquela responsável por investigações que dizem respeito ao governo esteja sendo constantemente desvalorizada, como se fosse uma retaliação contra à PF", diz Leiro.