PUBLICIDADE
Topo

Entendendo Bolsonaro

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Bolsonaro privatizou o Brasil para o centrão, diz Boulos

Guilherme Boulos - Ana Paula Paiva/Valor
Guilherme Boulos Imagem: Ana Paula Paiva/Valor
Conteúdo exclusivo para assinantes
Entendendo Bolsonaro

Esta é uma coluna coletiva que pretende contribuir, sob diversos olhares ? da comunicação à psicanálise, da ciência política à sociologia, do direito à economia ?, para explicar o fenômeno da nova política. O "Entendendo Bolsonaro" do título indica um referencial, mas não restringe o escopo analítico. Toda semana, pesquisadoras e pesquisadores serão convidados a trazer suas reflexões. O compromisso é com um conteúdo acadêmico traduzido para o público amplo, num tom sereno que favoreça o debate de ideias. Convidamos você a nos acompanhar e a interagir conosco.

Colunista do UOL

03/05/2022 14h40

* Cesar Calejon

Em entrevista concedida à coluna esta semana, Guilherme Boulos (PSOL/SP), pré-candidato do PSOL a deputado federal pelo Estado de São Paulo, acusou o governo Bolsonaro de "privatizar o Brasil para o centrão". Segundo Boulos, além de derrotar o bolsonarismo em outubro, é urgente formar uma bancada parlamentar progressista para a próxima legislatura.

"Estamos em uma encruzilhada histórica. Jair Bolsonaro é um genocida, uma figura desumana, que tem vocação ditatorial. Eu apoio o Lula, porque ele é o único candidato capaz de derrotar o bolsonarismo em 2022. Precisamos encerrar esse pesadelo", afirma o psolista, que lança hoje (3) o livro Sem Medo do Futuro (Contracorrente), a partir de 19h, na Livraria da Vila, em Pinheiros, São Paulo.

Para ele, a tragédia social, política e econômica na qual o Brasil está imerso é fruto direto da administração exercida pelo governo Bolsonaro em seu consórcio com a ala mais fisiologista da política institucional brasileira.

"Precisamos ser honestos, porque o centrão sempre participou dos governos federais, até durante os governos progressistas, mas o que o Bolsonaro fez foi privatizar o Brasil para o centrão. Hoje, quem governa o país, de fato, é o centrão."

Em 2020, concorrendo contra Bruno Covas (PSDB/SP) à Prefeitura da Cidade de São Paulo, Boulos obteve 2.168.109 votos (40,62%) no segundo turno das eleições municipais. Dois anos depois, ele quer utilizar essa ressonância popular para contribuir com a composição de uma Câmara dos Deputados que seja capaz de atender aos anseios da população de forma mais ampla.

"Não adianta eleger o Lula e manter uma figura como o Arthur Lira na Presidência da Câmara (dos Deputados), por exemplo. Precisamos de um parlamento mais progressista e devemos salientar a importância das eleições municipais também. Com a minha candidatura, eu quero contribuir neste sentido", ressalta Boulos.

Por fim, o pré-candidato do PSOL desafiou o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP), citando nominalmente o filho do presidente da República, a um debate público no período pré-eleitoral.

"Precisamos derrotar o filhotinho mimado (de Jair Bolsonaro) na Câmara dos Deputados. Eles não aceitam debater, porque não têm absolutamente nada para mostrar. Isso vem de família. O pai correu, o Flávio Bolsonaro desmaiou e assim por diante. Essa turma foge, porque eles não têm propostas e ideias. Funcionam somente na base do ódio, da gritaria. Eu o desafiei para o debate já sabendo que ele correria, mas vou continuar desafiando-o e ele vai continuar correndo. O apelido de 'bananinha' que ele ganhou não é por acaso", conclui Boulos.

Clique aqui para assistir à entrevista na íntegra.

* Cesar Calejon é jornalista, com especialização em Relações Internacionais pela FGV e mestrando em Mudança Social e Participação Política pela USP (EACH). É escritor, autor dos livros A Ascensão do Bolsonarismo no Brasil do Século XXI (Kotter) e Tempestade Perfeita: o bolsonarismo e a sindemia covid-19 no Brasil (Contracorrente).