PUBLICIDADE
Topo

Crise Climática

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Bacia do Araguaia-Tocantins está secando, diz estudo

Rio Araguaia - Getty Images
Rio Araguaia Imagem: Getty Images
Conteúdo exclusivo para assinantes
Cínthia Leone

Cínthia Leone é ambientalista e divulgadora científica, formada em jornalismo pela Unesp e doutora em Ciência Ambiental pelo PROCAM-USP.

Colaboração para o Uol, em São Paulo

12/05/2022 11h00

Esta é parte da versão online da edição desta quinta-feira (12) da newsletter Crise Climática, que discute questões envolvendo a emergência climática, como elas já afetam o mundo e quais são as previsões e soluções para o futuro. Para assinar o boletim e ter acesso ao conteúdo completo, clique aqui.

Um novo estudo mostra que as vazões da bacia dos rios Araguaia e Tocantins estão diminuindo gradativamente. A análise observou os registros históricos de 27 estações de medição até o ano de 2019, e constatou vazões abaixo da média em 19 delas, com especial atenção para os períodos secos. Os resultados são um alerta para os projetos de irrigação, hidrelétricas e hidrovias propostos na região.

A pesquisa publicada na segunda-feira (9) descreve o comportamento não estacionário da bacia do Araguaia-Tocantins, ou seja, susceptível a grandes variações de disponibilidade hídrica. Os pesquisadores empregaram um modelo estatístico diferente do tradicional, que em vez de observar apenas a vazão média, também leva em conta alterações sazonais. Segundo os autores, os projetos pensados para a região podem estar contando com uma água que já está cada vez menos disponível.

"Uma das premissas para fazer irrigação e hidrelétricas nessa região tem sido a de que o regime da bacia é estacionário, ou seja, que a vazão é constante. Como isso não é verdade, a sustentabilidade econômica desses investimentos é questionável", explica o biólogo Dilermando Pereira Lima Junior, professor da Universidade Federal de Mato Grosso e um dos autores da pesquisa.

A descoberta dos pesquisadores brasileiros está em linha com as previsões feitas pelo IPCC (Painel Intergovernamental da ONU sobre Mudanças Climáticas) em seu último relatório sobre impactos das mudanças climáticas. O documento indica que o Cerrado brasileiro está perdendo disponibilidade hídrica, com estiagens severas sendo prováveis no futuro no Planalto Central e no Nordeste.

"É certo que esta baixa na vazão reflete o impacto previsto em função da mudança climática. E também é correto que a mudança do uso do solo, com as drenagens das áreas úmidas, agrava essa tendência. Estamos estudando agora em que medida as ações locais e a mudança do clima contribuem para o problema", explica Lima Júnior.

Uma das maiores preocupações de Lima Júnior é com a drenagem das planícies de inundação da bacia, praticada em larga escala e com pouca fiscalização, sobretudo nos estados do Pará e Mato Grosso. Essas áreas úmidas são vitais para a sobrevivência dos rios e são protegidas por lei - inclusive internacional, por meio da Convenção de Ramsar.

"Nós deveríamos estar criando medidas de adaptação para os impactos que já estão previstos para essa bacia, em vez de continuar propondo formas de agravar o estresse hídrico local. Em vez de drenar áreas úmidas, deveríamos estar recuperando áreas degradadas", lamenta o pesquisador. "Infelizmente os agentes públicos e privados não estão se apoiando nas melhores informações disponíveis."

E o que mais você precisa saber

eduardo bim laden - Divulgação - Divulgação
Eduardo Fortunato Bim, presidente do Ibama
Imagem: Divulgação

Psicopata

Vale a pena conferir o presidente do IBAMA, Eduardo Bim, explicando porque não se importa com a cobertura jornalística sobre seus possíveis crimes ambientais e administrativos. "Sou um psicopata, não estou nem aí". Entre suas muitas polêmicas, uma troca de mensagens relevada pelo Intercept Brasil indica que Bim pressionou pela liberação das atividades da mineradora Gana Gold, acusada de ter extraído mais de R$ 1 bilhão em ouro da Área de Proteção Ambiental (APA) do Tapajós, em Itaituba (PA).

ouro ilegal - Polícia Federal/Divulgação - Polícia Federal/Divulgação
Ouro foi encontrado pela PF em três malas
Imagem: Polícia Federal/Divulgação

Tem dono

Depois de um suspense inicial, Dirceu Frederico Sobrinho veio a público para assumir ser dono do ouro apreendido pela Polícia Federal em Itu (SP). A empresa dele, a D'Gold, responde na justiça por suspeita de atuação no garimpo ilegal. Sobrinho já foi filiado ao PSDB, é presidente da Anoro (Associação Nacional do Ouro) e defende publicamente a atuação de garimpeiros e a legalização da mineração em Terras Indígenas. A Veja repercutiu sua proximidade com membros do governo federal, incluindo o vice-presidente Hamilton Mourão.

desmatamento amazonia - Victor Moriyama/Amazônia em Chamas - Victor Moriyama/Amazônia em Chamas
Vista aérea de desmatamento na Amazônia para expansão da pecuária, em Lábrea (AM)
Imagem: Victor Moriyama/Amazônia em Chamas

O pior abril

O Imazon divulgou na quarta (11) que a Amazônia perdeu 1.197 km² apenas em abril, área do tamanho da cidade do Rio de Janeiro. É o pior abril em 15 anos, um mês chuvoso na região amazônica e que tradicionalmente registra baixo desmatamento. Os dados fortalecem as informações divulgadas na sexta-feira (6) passada pelo INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), e indicam que a estação seca de 2022 pode consolidar o completo descontrole da destruição da Amazônia brasileira.

bento - Marcello Casal Jr/Agência Brasil - Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Bento Albuquerque, ex-ministro de Minas e Energia
Imagem: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

100 bilhões

A jornalista Mônica Bergamo publicou que Bento Albuquerque foi demitido do Ministério de Minas e Energia porque é contrário à inclusão do Brasduto no PL 414, que moderniza o setor elétrico. A emenda, que não tem relação com o tema do projeto de lei, obrigaria o uso de recursos do pré-sal para a construção de gasodutos, com impacto estimado em R$ 100 bilhões. A medida beneficia diretamente o empresário Carlos Soares, conhecido como o "Rei do Gás". Ontem (11) o relator do texto, Fernando Coelho Filho (MDB-PE), descartou categoricamente incluir a iniciativa no PL. Parlamentares estudam alternativas para aprovar a emenda.

arroz com feijão - iStock - iStock
arroz e feijão
Imagem: iStock

Você conhece?

Um veganismo não elitista. Esta é a bandeira da jovem pesquisadora e ativista Ellen Monielle, mais conhecida nas redes sociais como Eco.Fada. No Youtube, a influenciadora dá dicas de culinária vegana para todos os bolsos e gostos. Moradora de Natal (RN) e formada em relações internacionais, ela faz mestrado em gestão pública e cooperação internacional na Universidade Federal da Paraíba com um projeto que investiga o ativismo no setor alimentar e a atuação internacional de mulheres indígenas e de comunidades tradicionais.

LEIA MAIS NA NEWSLETTER

"Houston, we have a problem" - a frase icônica associada à missão Apollo 13 foi a analogia usada pela influente rede de investidores FAIRR para os ativos do setor de carne bovina e laticínios. Segundo a organização, além dos riscos de sustentabilidade, o setor terá prejuízos relacionados ao agravamento da crise climática.

Assinante UOL tem acesso a todos os conteúdos exclusivos do site, newsletters, blogs e colunas, dicas de investimentos e mais. Para assinar o boletim Crise Climática e conhecer nossas outras newsletters, clique aqui.