PUBLICIDADE
Topo

Diogo Schelp

Ditador da Bielorrússia, que indicou vodca contra covid-19, testa positivo

Belarus - Presidente Alexander Lukashenko - Getty Images
Belarus - Presidente Alexander Lukashenko Imagem: Getty Images
Diogo Schelp

Diogo Schelp é jornalista com 20 anos de experiência. Foi editor executivo da revista VEJA e redator-chefe da ISTOÉ. Durante 14 anos, dedicou-se principalmente à cobertura e à análise de temas internacionais e de diplomacia. Fez reportagens em quase duas dezenas de países. Entre os assuntos investigados nessas viagens destacam-se o endurecimento do regime de Vladimir Putin, na Rússia, o narcotráfico no México, a violência e a crise econômica na Venezuela, o genocídio em Darfur, no Sudão, o radicalismo islâmico na Tunísia e o conflito árabe-israelense. É coautor dos livros ?Correspondente de Guerra? (Editora Contexto, com André Liohn) e ?No Teto do Mundo? (Editora Leya, com Rodrigo Raineri).

Colunista do UOL

28/07/2020 13h00

Alexander Lukashenko é o Jair Bolsonaro da Bielorrússia, uma ex-república soviética situada entre a Rússia e a Polônia. O presidente bielorrusso nega desde o princípio a gravidade da pandemia do novo coronavírus, recusou-se a apoiar medidas de distanciamento social e disse que vodca e sauna bastariam para curar os pacientes com covid-19. Vodca é a hidroxicloroquina de Lukashenko.

Agora, o bielorrusso terá a chance de provar do seu remédio. Ele anunciou nesta terça-feira (28) que testou positivo para covid-19. Se ficar curado, dirá, como fez Bolsonaro, que foi graças ao medicamento milagroso — no seu caso, a vodca.

A diferença é que a Bielorrússia é uma ditadura. Lukashenko, no poder desde 1994, pode defender os absurdos que quiser sem ser contestado pelo Poder Judiciário ou pelo Legislativo. E sem ser catapultado para fora do cargo de maneira democrática.