PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Jamil Chade


PIB mundial deve sofrer contração de quase 1%, diz ONU

Coronavírus: Equipe médica em hospital temporário de Wuhan, na China - Xinhua/Fei Maohua
Coronavírus: Equipe médica em hospital temporário de Wuhan, na China Imagem: Xinhua/Fei Maohua
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

01/04/2020 12h52


A economia mundial caminha para registrar uma contração de seu PIB de 0,9% em 2020, como resultado da pandemia do coronavírus. O alerta é da ONU, que indica que essa seria a primeira contração global em mais de uma década. A queda, porém, pode ser ainda maior e dependerá da duração da pandemia e das medidas de restrição.

Em 2009, como resultado da crise financeira, a economia mundial perdeu 1,7% de seu PIB. Agora, com o fechamento das fronteiras de mais de cem países e a paralisação industrial, o impacto promete voltar a ser profundo.

"O cenário se baseia em choques do lado da demanda de diferentes magnitudes em relação à China, Japão, Coreia do Sul, Estados Unidos e UE, bem como uma queda de 50% no preço do petróleo", explicou.

Antes de a pandemia atingir o planeta, a previsão da ONU era de uma expansão de 2,5% no PIB em 2020, uma taxa já considerada como baixa. Caso as restrições sejam mantidas por um período mais prolongado, a queda de 0,9% para o ano pode ser ampliada. "O crescimento global poderia mergulhar ainda mais se as restrições aos movimentos e atividades econômicas nestas economias se estendessem para além do segundo trimestre", indicou.

Em qualquer dos cenários traçados pela ONU, os próximos cinco anos seriam de crescimento baixo. Entre 2021 e 2025, a taxa de expansão no mundo ficaria abaixo de 3%.

Um outro cenário mais positivo desenhado pela ONU aponta que, se houver um investimento massivo nas economias ricas e na China por parte dos governos, existe a possibilidade de que o mundo não entre em recessão. Mas, ainda assim, o crescimento global cairia para 1,2% em 2020.

Commodities

De acordo com a ONU, países que dependem das exportações de commodities podem ser especialmente afetados.

"À medida que a demanda mundial enfraquece em meio ao aumento das restrições de viagem, os preços do petróleo caíram para o nível mais baixo em quase duas décadas", indicou.

"Para muitas economias não dependentes do petróleo, o declínio das receitas relacionadas com os produtos de base e uma inversão dos fluxos de capital estão aumentando a probabilidade de problemas com a dívida", alertou.

"Particularmente em risco estão os exportadores de commodities com altos níveis de dívida externa", disse.

"A crescente pressão da dívida - e a probabilidade de uma crise da dívida - pode forçar muitos governos a reduzir drasticamente a despesa pública numa altura em que precisam de aumentar a despesa para conter a pandemia e apoiar o consumo e o investimento", completou.

Jamil Chade