PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

A última entrevista de Sérgio Vieira de Mello

Sérgio Vieira de Mello na ONU, em foto de 2003 - Reuters
Sérgio Vieira de Mello na ONU, em foto de 2003 Imagem: Reuters
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

19/04/2020 05h59

Era um domingo pela manhã quando meu celular tocou. Do outro lado da linha, quem falava era um dos porta-vozes da ONU e me anunciava: "Sérgio vai falar com você".

Não era a primeira vez que eu falava com ele. O brasileiro já tinha concedido a mim uma entrevista ainda quando liderava o processo em Timor Leste e, depois, quando foi nomeado para ser o alto comissário da ONU para Direitos Humanos.

Em 2003, a conversa foi curta. Mas suficiente para que ele mandasse os recados que queria. Dois dias depois, Sérgio Vieira de Mello seria alvo de um atentado. Aquela seria sua última entrevista a um jornal, que seria publicada um dia antes do atentado que o matou no jornal O Estado de S. Paulo. A conversa acabaria sendo citada por Samantha Powers, em seu livro sobre o brasileiro.

Na época, ele não acreditava que a ONU pudesse ser alvo de terroristas. Anos depois de sua morte, pessoas próximas a ele me explicaram que a decisão de conceder a entrevista era uma estratégia de Sérgio para mandar algumas mensagens aos americanos e que, se o recado não fosse entendimento, dias depois começaria a telefonar para jornais americanos.

Na conversa, ele sugeria já em 2003 que a Casa Branca deixasse claro que a ocupação do país era apenas provisória para que a tensão que vive a população fosse reduzida. Seu apelo seria ignorado e apenas seis anos depois, com a chegada de Barack Obama à presidência é que Washington admitiria a necessidade de deixar o Iraque.

A retirada americana seria oficialmente concluída em dezembro de 2011, oito anos depois do alerta de Vieira de Mello. Nesse período, a guerra deixou 4,5 mil mortos entre os americanos e 30 mil feridos. 1,5 milhão de soldados dos EUA passariam por Bagdá. No total, documentos obtidos pelo jornal The Guardian em 2010 apontaram que mais de 100 mil pessoas teriam sido vítimas durante os dez anos de guerra.

Eis os principais trechos da entrevista:

O Conselho de Segurança da ONU acaba de aprovar uma resolução sobre o Iraque que aponta algumas mudanças no mandato da organização em Bagdá. Em que isso pode influenciar o trabalho de seu escritório?

Teremos agora uma missão única da ONU no Iraque. Com a nova resolução do Conselho de Segurança, vou aumentar minha capacidade de integrar as diferentes iniciativas da ONU para que os trabalhos sejam mais coerentes e mais eficazes.

A resolução ainda saúda o Conselho de Governo do Iraque, entidade criada em julho. O que isso pode ajudar no processo de reconstrução do país?

Acho isso um elemento positivo. O Conselho de Governo preenche um vácuo de poder que existia até muito pouco tempo, já que os 25 indivíduos que fazem parte do órgão representam o tecido étnico e social do país. Esse conselho é o primeiro passo em direção ao retorno de um governo com plena soberania no Iraque, que teria a capacidade e o poder de garantir serviços básicos, como água e saúde, e pouco a pouco ficaria responsável pela segurança do país. Para completar, uma iniciativa que ajudaria seria dar uma garantia de que o processo de ocupação não é indefinido no tempo. Para isso, poderiam definir um calendário com datas exatas, como por exemplo a da saída das forças da coalizão. Enfim, dar uma mensagem de que a ocupação é provisória, o que reduziria a tensão da população e provavelmente os ataques contra os militares estrangeiros.

Quais serão as próximas etapas para que Iraque volte a ter um governo soberano?

O Conselho de Governo já criou uma comissão que irá avaliar opções de Constituição para o país. Em algumas semanas esse estudo será apresentado aos membros do conselho, que irão optar pelo caminho que desejam tomar. Dependendo da opção, eleições legislativas já poderiam ocorrer em 2004. A partir daí, com o estabelecimento de um Poder Legislativo, um novo governo poderia ser formado e isso colocaria fim ao mandato da coalizão no Iraque.

Apesar de o processo de criação do novo governo estar em andamento, vemos que praticamente todos os dias existem ataques contra militares americanos. Como está sendo a reação da população à ocupação do Iraque pela coalizão?

Está sendo traumática. Esse deve ser um dos períodos mais humilhantes da história desse povo. Quem gostaria de ver seu país ocupado? Eu não gostaria de ver tanques estrangeiros em Copacabana.

Como o sr. se sente pessoalmente?

A barra é sem dúvida pesadíssima aqui. Mas não sei bem por que, acredito que já passei por situações mais arriscadas. Aqui em Bagdá não me sinto em perigo como em outros lugares onde estive trabalhando. Obviamente que existem situações de tensão e todos funcionários da ONU são obrigados a seguir orientações bem claras sobre segurança e sobre onde podem ir, a que horas sair. Mas de um modo geral, não sinto um clima de hostilidade contra a ONU.

Por quê? A ONU não seria um alvo para os terroristas?

Creio que não. A ONU ainda é muito respeitada pela população local. Os iraquianos, ao contrário do que sentem pelas forças de ocupação, olham para a ONU como uma organização independente e amiga. Por isso, acho que confiam no nosso trabalho e sabem que estamos aqui para ajuda-los.

E qual a opinião deles sobre os brasileiros?

Ah, é muito boa. Eles têm uma admiração por nosso país que eu, pessoalmente, não conseguiria explicar. E acredito que não é apenas por causa do futebol, que eles conhecem muito bem. Existe uma relação de amizade com o Brasil que é impactante e que vem de muito tempo.

E isso ajuda em seu trabalho?

Você nem pode imaginar.

O que os Estados Unidos podem fazer para acalmar o sentimento antiamericano entre a população?

Essa é uma pergunta difícil, principalmente porque não sabemos quem exatamente está na origem dos ataques. O que sabemos é que a solução não será simples e acredito que seria necessária uma série de medidas.

Quais seriam essas medidas?

Em primeiro lugar, as forças da coalizão devem dar confiança ao povo iraquiano e resolver os problemas cotidianos, como a falta de água e a questão de saúde. Algumas medidas também devem ser tomadas no que se refere à segurança. Uma nova polícia iraquiana deve ser criada, já que nenhum estrangeiro pode impor a segurança. Isso significaria que a segurança da população seria feita pelos próprios iraquianos. As forças da coalizão precisam entender que a segurança não pode ser imposta de fora. Isso tudo demonstraria a boa-fé das forças estrangeiras e daria alívio à ansiedade que vivem os iraquianos. Outro elemento que deveria ser considerado pelas forças estrangeiras seria o de levar em conta as tradições locais e ter mais sensibilidade e respeito pelos costumes da população ao conduzirem operações de segurança e de captura de ex-membros do regime de Saddam Hussein.

E algo está sendo feito nesse sentido de criação de uma polícia iraquiana?

Os EUA enviaram um comissário de polícia para cá para esse trabalho. Mas acho que isso precisa ser acelerado.

Seu mandato era de quatro meses no Iraque. Pensa em ficar mais?

Não. Voltarei para Genebra em outubro (de 2003), como estava planejado para voltar a assumir o Alto Comissariado da ONU para Direitos Humanos e é isso que eu farei.