PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Jamil Chade


"Chocados" com Bolsonaro, Médicos Sem Fronteiras apontam colapso amazonense

18.abr.2020 - Novas covas são abertas por máquinas no cemitério da Vila Formosa na Zona Leste de São Paulo, neste sábado (18), para receber os sepultamentos decorrentes à Pandemia Covid-19 no estado - Antonio Molina/Fotoarena/Estadão Conteúdo
18.abr.2020 - Novas covas são abertas por máquinas no cemitério da Vila Formosa na Zona Leste de São Paulo, neste sábado (18), para receber os sepultamentos decorrentes à Pandemia Covid-19 no estado Imagem: Antonio Molina/Fotoarena/Estadão Conteúdo
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

12/05/2020 11h34

A portuguesa Ana de Lemos tem uma ampla experiência em situações de crise e de emergência sanitária. Passou pela Libéria, Iraque, Palestina, Sudão e tantos outros países. Mas, hoje, como diretora-executiva da entidade Médicos Sem Fronteiras no Brasil, ela admite: a resposta das autoridades diante da pandemia gera indignação.

Foi com essas palavras que a representante de uma das organizações mais reconhecidas no mundo descreveu o que vê em termos de resposta diante da pandemia.

"Estamos chocados", afirmou. "Chocados pela inconsistência da mensagem dos diferentes níveis de governo para a população", disse. "E, sem isso, não há como ter um engajamento da população, que é central no caso de uma emergência sanitária", explicou a representante da entidade que, em 1999, recebeu o Prêmio Nobel da Paz.

Para ela, a forma pela qual o governo tem tratado as vítimas e seus familiares causa "indignação". "Mortes poderiam ter sido evitadas", afirmou. Até segunda-feira pela noite, o Brasil somava 11,5 mil mortes.

Sua avaliação é de que, sem uma mensagem coerente do governo, o cenário hoje é de uma desconfiança social, o que não ajuda a lidar com a crise.

A entidade Médicos Sem Fronteiras ainda alerta para o fato de que os serviços de saúde no interior do Amazonas e em outros estados da Amazônia estão incapacitados de dar uma resposta diante da pandemia, com números cada vez maiores e sem um sinal de contenção da proliferação.

O alerta foi lançado nesta terça-feira, numa coletiva de imprensa em Genebra. "Temos recebido informações de Tabatinga, São Gabriel da Cachoeira e outras cidades. E as informações apontam que os sistemas estão totalmente sobrecarregados, sem capacidade de atender", alertou Ana de Lemos.

O último informe da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM) aponta para 12.919 casos confirmados da doença. Desses, 7.264 estão de Manaus. Mas cidades como Santo Antônio do Iça, Manacapuru, Rio Preto da Eva e Tabatinga estão entre as mais atingidas.

Outra constatação da entidade é a subnotificação no número de casos registrados entre indígenas. Segundo Ana de Lemos, os sistemas de monitoramento conduzidos pela sociedade civil tem evidenciado um número superior aos dados oficiais.

Oficialmente, a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) fala em 16 mortes entre indígenas, além de 214 infectados.

A situação dos indígenas na Amazônia se transformou em uma preocupação internacional. Nas últimas semanas, artistas e ativistas, além de dezenas de grupos indígenas, tem alertado sobre os riscos que correm tribos e comunidades tradicionais da região.

Deputados europeus ainda querem que a Comissão Europeia tome medidas contra o governo de Jair Bolsonaro diante de seu comportamento diante dos povos indígenas e o risco da pandemia do coronavírus.

Numa carta enviada por alguns dos deputados liderados por grupos de esquerda e ecologistas ao chefe da diplomacia da UE, Josep Borrell, Bolsonaro é acusado de traçar uma estratégia perigosa para a sobrevivência de tribos em diferentes partes do país.

Nas últimas semanas, a resposta à pandemia no Brasil colocou o país sob forte pressão no exterior, com ex-ministros alertando para a situação de pária do governo. Denúncias em tribunais e à OMS foram apresentadas contra o presidente Bolsonaro. Alguns dos maiores artistas e intelectuais apresentaram uma petição liderada por Sebastião Salgado para que a situação dos indígenas fosse avaliada, enquanto algumas das maiores entidades do país ligadas ao povos tradicionais apelaram para a ajuda internacional

Jamil Chade