PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

Em rodinha de líderes, Bolsonaro mente sobre economia e popularidade

Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

30/10/2021 09h00

Resumo da notícia

  • "Petrobras é um problema", diz Bolsonaro aos demais chefes de estado
  • Presidente brasileiro ainda critica a imprensa e elogia militares
  • Erdogan é acusado de ter desmontado as instituições democráticas na Turquia
  • Na rodinha, Bolsonaro ainda ignora Scholz, vencedor das eleições na Alemanha

O G20 (grupo das maiores economias do planeta) é uma rara oportunidade para que líderes busquem o contato pessoal para tratar problemas globais e resolver arestas entre países. Mas na cúpula do bloco neste sábado, em Roma, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tinha outra missão: mentir sobre a situação do Brasil, dizer que a Petrobras é "um problema" e criticar a imprensa.

O UOL teve acesso exclusivo à antessala do local onde o G20 se reuniria e presenciou uma conversa entre Bolsonaro e o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, acusado de promover um desmonte da democracia em seu país.

Bolsonaro, que até então tinha trocado conversas apenas com os garçons do local, foi levado por seus assessores para falar com Erdogan. Ao se aproximar, o presidente pede ao tradutor: "Me ajuda aí", sorrindo nervoso.

Na mesma rodinha de líderes estava Olaf Scholz, vencedor das eleições na Alemanha, um dos grandes parceiros comerciais do Brasil. Bolsonaro, porém, sequer olhou para o alemão e começou uma conversa com o turco.

Vendo que havia sido ignorado pelo brasileiro, o homem que provavelmente irá liderar a Alemanha virou as costas e foi falar com os primeiros-ministros Boris Johnson (Reino Unido), Justin Trudeau (Canadá) e Modi Narendra (Índia).

Ao lado dos ministros Paulo Guedes (Economia) e Carlos França (Itamaraty), Bolsonaro conta aos demais líderes que tem amplo apoio popular e que a economia brasileira está crescendo. Mas, sem ser perguntado, critica a imprensa local e ataca a Petrobras, alvo de constantes reclamações por causa do sucessivos aumentos no preços dos combustíveis.

Hoje, a retomada da economia brasileira é uma das piores entre o G20 e a popularidade atingiu seu nível mais baixo, em setembro. Segundo o Datafolha, a reprovação foi de 53%. O país ainda deve registrar o menor crescimento em 2022 entre os membros do G20, segundo o FMI (Fundo Monetário Internacional).

Bolsonaro não fez uma só pergunta aos líderes estrangeiros, não elogiou os demais países e nem trocou impressões pessoais. Ao contrário de outras rodinhas de líderes, o brasileiro não falou sobre a pandemia ou sobre as decisões do G20.

Eis a transcrição da conversa com um presidente turco impassível e que não se aventurou em fazer qualquer comentário de apoio às falas do brasileiro.

Erdogan - Como está a situação atual hoje no Brasil, senhor presidente?

Bolsonaro - Tudo bem. A economia voltando bem forte. A mídia como sempre atacando, estamos resistindo bem. Não é fácil ser chefe de Estado em qualquer lugar do mundo.

Erdogan - O Brasil tem grandes recursos petrolíferos

Bolsonaro - Tem, tem

Erdogan - Petrobras

Bolsonaro - Petrobras é um problema. Mas estamos quebrando monopólios, com uma reação muito grande. Há pouco tempo era uma empresa de partido político. Mudamos isso.

Erdogan - E quando é a eleição?

Bolsonaro - Daqui a 11 meses

Erdogan - Significa que o senhor tem bastante coisa ainda para fazer

Bolsonaro - Eu estou bem. Também tenho um apoio popular muito grande. Temos uma boa equipe de ministros. Não aceitei indicação de ninguém. Foi eu que botei todo mundo. Prestigiei as Forças Armadas. Um terço dos ministros [é de] militares profissionais. Não é fácil. Fazer as coisas certas é mais difícil.

O turco encerrou a conversa, sem qualquer entusiasmo.

Ao final do rápido encontro entre os dois líderes, pessoas que acompanhavam o presidente chamaram a organização do G20 para se queixar da presença do UOL no local. A reportagem, após a queixa dos brasileiros, foi retirada da presença dos líderes.

Por mais duas vezes, o UOL tentou se aproximar de outras conversas mantidas por Bolsonaro com outros chefes de estado. Mas foi impedido. Na última, a reportagem foi alertada que poderia ter "problemas".