Jamil Chade

Jamil Chade

Siga nas redes
Reportagem

Em 2 meses de guerra, ONU fala em 'apocalipse' e colapso social em Gaza

A Faixa de Gaza vive um cenário "apocalíptico", com milhares de pessoas sendo obrigadas a dormir pelas ruas e o colapso iminente da ordem pública. É desta forma que a ONU descreve a atual situação na região, dois meses depois da eclosão da violência entre o Hamas e Israel. Neste período, já são mais de 16,2 mil mortos, 1,9 milhão de deslocados. Mulheres e crianças representam mais de 60% de todas as vítimas.

Em 7 de outubro, um ataque por parte do Hamas contra Israel deixou 1,2 mil mortos. O grupo palestino ainda sequestrou mais de 200 pessoas, abrindo o maior período de instabilidade no Oriente Médio em anos.

A resposta de Israel veio na forma de uma ofensiva sem precedentes sobre Gaza, com a promessa do governo de Benjamin Netanyahu de que iria "aniquilar" o Hamas. O resultado, porém, tem sido o que relatores da ONU já descrevem como "risco de genocídio".

Nem uma resolução do Conselho de Segurança da ONU conseguiu impedir o avanço israelense, apoiado de forma explícita pelos EUA. Do lado do Hamas, os apelos internacionais para que liberem todos os reféns tampouco foi atendido, ainda que uma negociação tenha permitido a soltura de cerca de cem deles.

Numa carta para o Conselho de Segurança, o secretário-geral da ONU, António Guterres, alerta para o risco de um colapso da ordem pública em Gaza, com a proliferação de pilhagens, desespero e o fim de qualquer tipo de serviços.

Ele ainda pede um cessar-fogo. "A situação se deteriora rapidamente, com implicações irreversíveis para os palestinos e para a segurança na região", disse.

Em seu novo informe, a ONU aponta que, depois de alguns dias de trégua, Israel reiniciou sua ofensiva militar e que, agora, avança sobre todas as regiões de Gaza, inclusive nas áreas que tinham sido declaradas como zonas de segurança. Apenas no dia 6 de dezembro, mais de 100 pessoas foram mortas em prédios residenciais em Jabalia camp.

Eis as principais conclusões do informe das Nações Unidas:

Ajuda interrompida - Em 6 de dezembro, pelo quarto dia consecutivo, Rafah foi a única província de Gaza em que houve distribuição limitada de ajuda em 6 de dezembro. Na província de Khan Younis, a distribuição de ajuda foi praticamente interrompida devido à intensidade das hostilidades. A Área Central estava em grande parte desconectada do sul, devido às restrições de movimento impostas pelas forças israelenses ao longo das estradas principais.

Continua após a publicidade

Deslocados - Desde 3 de dezembro, dezenas de milhares de deslocados internos chegaram, a maioria vinda de toda a província de Khan Younis. Como os abrigos na cidade de Rafah excederam em muito sua capacidade, a maioria deles se instalou nas ruas e em espaços vazios da cidade, bem como em prédios públicos.

Estimava-se que quase 1,9 milhão de pessoas em Gaza, ou cerca de 85% da população, estavam deslocadas internamente. Quase 1,2 milhão desses deslocados internos foram registrados em 156 instalações da UNRWA em Gaza.

Evacuação ordenada por Israel - Quase 30% da Faixa de Gaza foram alvo de ordens de evacuação. A capacidade dos residentes de acessar essas informações é prejudicada pelas interrupções recorrentes nas telecomunicações e pela falta de eletricidade para carregar celulares e dispositivos eletrônicos.

Em 6 de dezembro, cinco escolas da ONU que serviam de abrigo para deslocados internos em localidades no leste da província de Khan Younis foram totalmente evacuadas, seguindo ordens diretas dadas pelas forças israelenses aos gerentes dessas instalações.

Em 6 de dezembro, uma área adicional na cidade de Khan Younis, abrangendo cerca de um quilômetro quadrado, foi designada pelos militares israelenses para evacuação imediata. Juntamente com designações semelhantes em dias anteriores, cerca de 25% da área da cidade, onde cerca de 178.000 residentes originais (73% da população) e um número estimado de 170.000 deslocados internos receberam ordens de evacuação.

Fome - O Programa Mundial de Alimentação alertou que "a retomada das hostilidades em Gaza só intensificará a catastrófica crise de fome que já ameaça sobrecarregar a população civil". A declaração indicou que "os novos combates tornam a distribuição de ajuda quase impossível e colocam em risco a vida dos trabalhadores humanitários".

Continua após a publicidade

Mortes de soldados - No total, 88 soldados israelenses foram mortos em Gaza desde o início das operações terrestres israelenses, de acordo com fontes oficiais israelenses.

Doenças - Devido à superlotação e às condições sanitárias precárias nos abrigos da ONU no sul de Gaza, houve um aumento significativo de algumas doenças e condições transmissíveis, como diarreia, infecções respiratórias agudas, infecções de pele e condições relacionadas à higiene, como piolhos. Também há relatos iniciais de surtos de doenças, incluindo potencialmente a hepatite A.

Atualmente, apenas 14 dos 36 hospitais da Faixa de Gaza estão funcionando e, mesmo assim, oferecem apenas serviços limitados. Entre eles, dois pequenos hospitais no norte e 12 no sul estão aptos a admitir novos pacientes. Os dois principais hospitais no sul de Gaza estão operando três vezes acima de sua capacidade de leitos, enfrentando escassez crítica de suprimentos básicos e combustível. Além disso, esses hospitais estão fornecendo abrigo a milhares de deslocados internos.

Até 6 de dezembro, a OMS documentou 212 ataques a serviços de saúde na Faixa de Gaza, afetando 56 instalações de saúde e 59 ambulâncias.

Reportagem

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora