PUBLICIDADE
Topo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Bolsonaro é a sombra do Brasil: o que não queremos ver

21.set.2021 - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido), durante viagem a Nova York para a 76ª Assembleia-Geral da ONU - Stephen Yang/Reuters
21.set.2021 - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido), durante viagem a Nova York para a 76ª Assembleia-Geral da ONU Imagem: Stephen Yang/Reuters
Conteúdo exclusivo para assinantes
José Luiz Portella

Sobre o Autor - Pós-doutorando em sociologia pela FFLCH-USP. Doutor em ciências- área história econômica Doutor em história econômica FFLCH-USP Engenheiro civil -especializado em gestão, orçamento e planejamento urbano; ocupou cargos públicos nos governos federal, estadual e municipal pesquisa medição do impacto das políticas públicas.

Colunista do UOL

25/09/2021 11h33Atualizada em 25/09/2021 17h59

Bolsonaro, com seu conjunto de atitudes, deixa a grande maioria da população desalentada, triste e perplexa. E querendo não crer.

Porque é a sombra do Brasil. Aquilo que não queremos ver em nós mesmos e está em nosso cotidiano. Sombra no sentido que Carl Gustav Jung define.

Quando alguém faz "gatonet"; quando se distrata outra pessoa por ser mais pobre e vulnerável e não conseguir se defender; quando se driblam leis e normas para chegar ao objetivo mais rapidamente, quando se entrega a multa para um despachante colocar em nome de outra pessoa que não existe ou faleceu; quando o vendedor mente na oferta; quando se encontra alguma elisão fiscal com a desculpa de que o governo cobra muito imposto; quando falamos em democracia e somos autoritários com os nossos subordinados; quando açoitamos a babá porque ele errou, quando a cuidadora bate na velha que ela cuida; quando se faz qualquer "rachadinha" com o comprador do nosso imóvel para enganar a Receita Federal, quando os grandes empresários ricos fazem lobbies de relacionamento para obter alguma vantagem indevida e fogem da concorrência perfeita, que dizem defender quando não estão incluídos no arranjo, quando fazemos acordo com "algum Centrão" que nos facilita o negócio. Isso tudo é a interação entre nós, e que nos imaginamos sempre "de fora", do lado do bem.

Com a desculpa do "coitadismo", que é sacada da situação humilde de nossas origens e de termos uma elite cega, que procura aplacar a consciência de culpa com migalhas distribuídas, com doações temporárias e espetaculosas, o que nos leva, muitos, a vestirmos a carapuça de "coitados permanentes", de "vítimas das circunstâncias" de um país que tem uma desigualdade absurda há 521 anos e não tem a vergonha de diminuí-la avassaladoramente, podendo fazê-lo; e utiliza-se as eventuais fraquezas para se ter vantagem indevida. Como uma compensação pelo complexo de vira-latas, da síndrome de inferioridade do mazombo que carregamos em nós, desde que os filhos de portugueses eram menosprezados pela Corte em Lisboa.

Bolsonaro chegou ao poder impelido por 25% de superconservadores, que acreditam em armas, violência contra os adversários, em "golpe militar", que estavam obnubilados pelo manto da disputa entre PSDB e PT, e votavam no PSDB para evitar o inimigo maior, e mais 32% de antipetistas revoltados com os erros reais que o partido cometeu no governo e agora ficam escondidos por decisões judiciais interpretativas, "técnicas" ou fruto de confrontos de natureza pessoal. E o PT e aliados buscam docemente colocar embaixo do tapete, na conta de erros jurídicos cometidos, que não isentam as ações cometidas. Nesses 32% estão incluídos os que se cansaram da rigidez do que chamavam de "politicamente correto", por vezes, nem sempre, realmente exagerado. Confundindo respeito com a diversidade com obrigação de gostar de procedimentos que não aprecia. Outras vezes, sem razão, porque brasileiros, somos intolerantes, autoritários de acordo com a nossa gênese ibérica e seletivos.

Bolsonaro chegou ao poder no momento em que havia tanto desejo de retirar o PT que a sombra que ele irradia passou batida e dissimulada na forma de Nova Política que ele nunca exerceu em 28 anos de mandato como deputado federal mais o tempo em que foi vereador. As palavras agressivas e as atitudes violentas de Bolsonaro foram colocadas na mesma cesta onde guardamos a nossa sombra, o pior de nós.

E agora nos damos conta, os que não votaram e os que votaram docemente constrangidos com disfarces como "votei no Paulo Guedes", votei no "anticomunismo", cujo espectro não ronda o Brasil há décadas, que Bolsonaro nos incomoda muito.

Segundo Jung, tocamos em nossa sombra quando negamos um defeito que nos atribuem. Se alguém aponta alguma falha e concordamos com a crítica, isso significa que já trouxemos à consciência aquele problema. Não é mais sombra. Quando alguém nos ataca com algo que muitos amigos reconhecem em nós, mas nem sempre falam, e gera uma repulsa e negação, aí então a sombra está apresentada.

Bolsonaro é a sombra do Brasil.

Ele é em grande parte o que somos e não queremos ver, ele é o Brasil que os estrangeiros percebem além da simpatia, carnaval e futebol.

Talvez, a melhor contribuição que ele possa dar é exatamente iluminar esta sombra para que possamos nos aperfeiçoar e fazer um Brasil mais solidário, menos desigual, mais verdadeiro, que apregoamos em nossas orações quando estamos de posse da persona que assumimos e almejamos ser.

Bolsonaro, por incrível que pareça, tem a sua utilidade.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL