PUBLICIDADE
Topo

José Luiz Portella

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Lula na campanha, ambiguidades e trajetória

19.jan.2022 - O ex-presidente Lula (PT) participou hoje de uma entrevista coletiva com veículos de imprensa independentes que o apoiam - Reprodução / YouTube / Lula
19.jan.2022 - O ex-presidente Lula (PT) participou hoje de uma entrevista coletiva com veículos de imprensa independentes que o apoiam Imagem: Reprodução / YouTube / Lula
Conteúdo exclusivo para assinantes
José Luiz Portella

Sobre o Autor - Pós-doutorando em sociologia pela FFLCH-USP. Doutor em ciências- área história econômica Doutor em história econômica FFLCH-USP Engenheiro civil -especializado em gestão, orçamento e planejamento urbano; ocupou cargos públicos nos governos federal, estadual e municipal pesquisa medição do impacto das políticas públicas.

Colunista do UOL

24/01/2022 15h59

Lula está muito confiante que pode, utilizando as falhas de Bolsonaro, ganhar as eleições até no primeiro turno, se esgueirando de certas polêmicas.

Porém, não parece que ele vá conseguir ser o "Lulinha, Paz e Amor" do início ao fim da campanha.

Talvez, tivesse que aplicar a vacina eleitoral. Instrumento que Duda Mendonça utilizava e usou com Lula anteriormente, de antecipar-se às críticas, dar a respectiva versão e aliviar o impacto do bombardeio posterior, perto do pleito.

Juntando questionamentos de pesquisas qualitativas e os bastidores dos outros candidatos, Lula terá de se defrontar com:

1- Mensalão - uma resposta melhor, uma vez que disse, após a confirmação da existência, que "não sabia". Pode ser? Ele vai ter que dizer como os responsáveis montaram o mensalão e encobriram do presidente de então. Os responsáveis estarão no governo?

2- Petrobras - o argumento que já havia desvios anteriormente não justifica o que ocorreu, nem isenta as pessoas. É uma desculpa esfarrapada. O partido não se desculpou e Gleisi, contra-argumentou, com relação aos prejuízos. Lula concorda com ela ou não?

3- Lula disse recentemente que seu governo baixou a relação dívida/PIB de 60% para 30%, se vangloriando. Bem, Dilma , depois, "apoiada e reapoiada" por Lula voltou a elevar essa dívida. Então ela fez um mal governo? Ele reconhece o erro de Dilma?

4- Lula vai colocar o pobre no orçamento e o rico no Imposto de Renda. Como? Em ambos os casos, ele não diz como. O pobre não está no orçamento com Auxílio Brasil e outras rubricas? Se já está, como Lula vai complementar? E, como vai elevar o IR dos ricos? Através de que mecanismos e como seria a cronologia? Ambas as medidas vão em direção oposta, mas qual é o grau de intensidade de cada uma? Isso muda o Orçamento.

5- Lula vai seguir o programa elaborado pelos 83 economistas da Perseu Abramo ou vai colocar um empresário que dê sinal para o mercado? Uma coisa se choca com o outra.

Programa da Perseu Abramo não é o do mercado. Ou Lula vai colocar um empresário ou um Joaquim Levy para enrolar e realizar o programa contra o mercado? Ou vai se compor com André Esteves, e, a seguir, com outros banqueiros com o discurso da governabilidade?

6- O PT teve parlamentares que votaram de certa forma na PEC dos Precatórios, Lula não se posicionou. Ele concorda ou não com a PEC e com quem votou a favor dela?

7- Lula é contra o Teto de Gastos, ok. O que ele vai colocar no lugar como âncora fiscal ou não vai colocar nada? Faz diferença.

8- Lula diz que fará várias coisas, mas sabe que receberá um país pior do que da outra vez. Qual vai ser o "timing" dele, qual será a cronologia das ações prometidas para ganhar a eleição?

9- Lula vai taxar juros sobre capital próprio (aumentar a taxação) e dividendos? Ele e Dilma não fizeram isso. Eles não mudaram a política estabelecida por FHC. Vão fazer agora?

10 - Lula fez distribuição de renda para classes D e E e parte da C, mas concentrou renda, em grau imenso nas mãos dos 0,5% mais ricos. Vai fazer igual?

11- Lula vai se aproximar do Centrão? Vai permitir que os atuais líderes que já o apoiaram no passado e agora o renegaram voltem a comandar o Congresso e o Orçamento? Como fará sua base de apoio?

Para depois, não vir com um discurso de "união nacional" e esquecer as críticas anteriores que fazia ao sistema que oprime os mais pobres.

Lula tem todo direito de achar que é esperto suficiente para resvalar das respostas, mas os outros candidatos têm o direito de cobrar duro de Lula. E estão prontos para fazê-lo. Ciro é o mais preparado para isso.

A trajetória de Lula parece um mar-de-rosas, principalmente pelos equívocos repetidos de Bolsonaro, porém a campanha é longa e Lula está se esquivando muito cedo de tudo.

Não quer tomar a vacina de Duda Mendonça. Nesse ponto, está sendo um negacionista. A ver as consequências. Pode ter que responder num momento em que não será mais possível convencer.

Ninguém enrola a todos, o tempo todo.