Siga nas redes
Só para assinantes

UOL Prime #3: Quando o caos climático bate à sua porta

Os termômetros da estação meteorológica da Vila Militar, a mais próxima de São João de Meriti, marcaram inéditos 42,5ºC no dia 18 de novembro de 2023. "Sem vento e com umidade alta, a sensação térmica chegava a 60ºC na Baixada Fluminense, um forno" - conta a repórter Camille Lichote.

Camille e a mãe hospedaram naquele fim de semana as primas adolescentes que tinham viajado desde Santa Catarina para assistir à apresentação inaugural da cantora Taylor Swift, a alguns quilômetros dali, no Engenhão. O tour brasileiro da popstar começara na véspera com uma tragédia provocada pelo calor. A estudante Ana Clara Benevides, 23 anos, morreu por exaustão térmica, tão quente estava dentro do estádio. As primas catarinenses precisaram comprar copos d'água a R$ 10 cada para jogarem na cabeça e não sucumbirem também.

No dia seguinte, pico da onda de calor, os organizadores cancelaram o show. Queriam prevenir novas tragédias, mas elas aconteceram em outros lugares próximos, como na cidade de Camille.

Quando faltou luz naquela noite de 18 de novembro, não demorou para Camille e a família perceberem que não resistiriam muito tempo sem a ajuda do ar condicionado. Saíram de carro em busca de um quarto de hotel onde ainda houvesse energia e temperatura suportável. Não foram as únicas que tiveram essa ideia, porém. Todos os hotéis estavam lotados.

Na volta para casa, na avenida Automóvel Clube, logo após cruzar o rio Pavuna, um dos pneus do carro estourou. Uma olhada na aparência derretida da borracha bastou para perceberem que havia sido por causa do calor do asfalto. Era o prenúncio de outras más notícias. Na manhã seguinte, foram acordadas por um telefonema avisando que um dos vizinhos morrera durante a madrugada, também por causa do calor.

Não foi uma onda de calor qualquer. Foi a maior já registrada no Rio de Janeiro e no Brasil. Esses recordes climáticos recorrentes são efeito do aquecimento do planeta e tendem a se transformar em eventos catastróficos cada vez mais frequentes - para os quais o poder público não parece estar preparado. Camille ouviu cientistas, governantes e vítimas da mudança climática para uma série de reportagens publicada pelo UOL.

Neste episódio do podcast UOL Prime, Camille nos conta sua experiência como testemunha dos desastres climáticos no Rio de Janeiro e no Rio Grande do Sul. Ela narra as comoventes histórias de duas sobreviventes de uma enchente histórica, que destruiu a cidade gaúcha de Muçum. Ao ouvir o relato de Camille, você vai tirar suas próprias conclusões se as chuvas torrenciais, as secas prolongadas e o calor letal são apenas notícias de jornal ou se são as batidas do caos climático em nossas portas.

Assine o podcast UOL Prime. Toda semana eu converso com os melhores repórteres sobre as melhores reportagens do UOL. É grátis. O podcast UOL Prime é publicado às quintas-feiras no YouTube do UOL Prime, Spotify, Apple Podcasts, Amazon Music, Deezer e em todas as plataformas de podcast.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Deixe seu comentário

Só para assinantes