PUBLICIDADE
Topo

Medo do vírus impede enfermeiro de abraçar filho

iStock
Imagem: iStock
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

29/03/2020 07h42

O coronavírus não mata apenas pessoas. Fulmina as relações humanas. Assassina com requintes de crueldade gestos comezinhos como o beijo, o aperto de mão, o abraço.

Ganhou as redes, graças à BBC de Londres, uma cena triste. Exibe a chegada de um enfermeiro saudita em casa. Ele trabalha no pelotão que combate o coronavírus num hospital da cidade de Riad.

Ao avistar o enfermeiro, o filho corre em sua direção com os braços abertos. Para evitar o risco de contágio, o pai contém as expansões da criança. Na sequência, agacha-se. E chora.

Aos pouquinhos, vão sendo aniquiladas as manifestações de afeto. O vírus é novo, chegou outro dia. Se não for derrotado com celeridade, mais dia, menos dia, acaba matando o próprio dia-a-dia.

Josias de Souza