PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Com Lula e Bolsonaro, combate à corrupção pode ser tema órfão em 2022

Conteúdo exclusivo para assinantes
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

22/03/2021 23h05

Pesquisa Datafolha informa que a grossa maioria dos brasileiros (67%) acreditam que haverá mais corrupção no país daqui para a frente. Esse índice vem crescendo desde 2019. Em abril do primeiro ano do governo Bolsonaro, 40% dos brasileiros achavam que a roubalheira iria aumentar. Em agosto de 2020, a taxa já estava em 56%. Agora, praticamente sete em cada dez brasileiros apostam no crescimento da corrupção.

A percepção da sociedade orna com acontecimentos que devolvem os maus costumes às manchetes. Chamam a atenção, por exemplo, o desmonte da Lava Jato, o desvio de verbas da saúde em vários estados em plena pandemia, o casamento de Bolsonaro com o centrão e a lavagem da ficha suja de Lula no Supremo Tribunal Federal. A conjuntura malcheirosa é percebida também no exterior.

A OCDE, Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, um clube de países ricos do qual o Brasil deseja ser sócio, tomou uma atitude inédita: criou um grupo para monitorar o combate à corrupção nesta terra de palmeiras. Estão sob observação, por exemplo, o futuro dos casos da Lava Jato e o inquérito contra Flávio Bolsonaro, o primogênito do presidente.

O grupo não tem prazo para terminar. Dependendo de suas conclusões, a entrada do Brasil na OCDE pode ser vetada. A organização já vinha criticando o Brasil por conta do descaso com o meio ambiente. O descaso com a corrupção pode degradar o ambiente inteiro.

Além de iluminar os maus presságios do eleitorado sobre a hipótese de aumento da corrupção na era Bolsonaro, o Datafolha revelou que a maioria dos brasileiros (57%) considera justa a condenação de Lula no caso do tríplex. Para 51%, o ministro Edson Fachin, do Supremo, agiu mal ao anular todas as sentenças da Lava Jato contra Lula.

Mantido o cenário atual, em que Bolsonaro e Lula são as principais apostas para 2022, o combate à corrupção pode chegar à próxima sucessão presidencial como um tema órfão.