PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Decisão de Lewandowski sobre Lula é insultuosa

Conteúdo exclusivo para assinantes
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

15/09/2021 10h01

A decisão de Ricardo Lewandowski de sepultar mais duas investigações contra Lula é esclarecedora e insultuosa. Esclarece que era conversa fiada aquela versão segundo a qual a transferência das encrencas de Lula de Curitiba para Brasília não causaria prejuízos, pois os processos teriam sequencia na Justiça Federal da Capital. Insulta porque Ricardo Lewandowski já nem espera pela reavaliação das provas.

Lewandowski antecipa-se aos juízes de primeira instância. O ministro impede o reinício dos casos que apuram doações espúrias da Odebrecht ao Instituto Lula. Ele interrompe o curso da investigação sobre a compra de um terreno para a sede do instituto e de um apartamento em São Bernardo do Campo.

Vale a pena atrasar o relógio em 14 anos para entender o contexto. Em agosto de 2007, quando a denúncia da Procuradoria no caso do mensalão foi convertida em ação penal pelo Supremo, Lewandowski atuava como ministro revisor do relator Joaquim Barbosa, de quem divergiu bastante.

Terminada a sessão, Lewandowski foi jantar com amigos num restaurante de Brasília. Em dado momento, levantou da mesa para atender ao celular. Era o irmão, Marcelo Lewandowski.

Para azar do ministro, a repórter Vera Magalhães, acomodada em mesa próxima, ouviu a conversa, que virou notícia na Folha. Lewandowski disse: "A imprensa acuou o Supremo. [?] Todo mundo votou com a faca no pescoço." Ele acrescentou: "A tendência era amaciar para o [José] Dirceu".

Lewandowski não parecia preocupado com a má repercussão: "Para mim não ficou tão mal, todo mundo sabe que eu sou independente." Deu a entender que, não fosse pela "faca no pescoço", poderia ter divergido muito mais do relator Barbosa: "Não tenha dúvida. Eu estava tinindo nos cascos."

Os comentários de Lewandowski geraram grande repercussão na época. Agora, a decisão de enterrar processos de Lula por razões processuais, sem julgamento do mérito das acusações, demonstra que o ministro Lewandowski talvez continue "tinindo nos cascos."