PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

Bolsonaro serve improviso a quem tem fome

Escassez de alimentos, fome - Stas_V/iStock
Escassez de alimentos, fome Imagem: Stas_V/iStock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

29/11/2021 09h51

O Brasil vive um paradoxo constrangedor. É um dos países mais prósperos do mundo na produção de alimentos. No entanto, é cada vez mais rico em pobres que passam fome. Alguma coisa está muito errada quando um governo diz que faz tudo certo para combater a fome e os famintos não param de invadir o noticiário.

A fome faz fila nos açougues para roer os ossos. A fome invade a caçamba de lixo para disputar restos de comida com os ratos. Reportagem do UOL flagrou a fome em outras aparições constrangedoras: desmaiando à espera de atendimento numa unidade de saúde, exibindo uma gravidez subnutrida no consultório médico...

O que fez Bolsonaro diante da intimação dos estômagos? Extinguiu o Bolsa Família, um programa social bem-sucedido, com 18 anos de existência. Colocou no lugar o Auxílio Brasil —um programa instituído por medida provisória, com benefício temporário e fonte de financiamento inexistente. De concreto, por ora, apenas a fome.

A medida provisória já passou na Câmara. Mas não foi votada pelo Senado. Bolsonaro prometeu pagar R$ 400 por mês até dezembro de 2022. Mas a clientela do antigo Bolsa Família passou a receber uma média de R$ 224. O novo valor depende da aprovação da PEC dos precatórios, que dá o calote nas dívidas judicias do governo. O Senado hesita em aprovar.

Um governo sensato teria realizado estudos criteriosos há mais de um ano, quando a pandemia aguçou a desigualdade social. Cuidaria de aperfeiçoar e reforçar o Bolsa Família. Governante precário, Bolsonaro preferiu administrar o problema a golpes de barriga e de populismo eleitoral.

Depois de empurrar a fome alheia com seu estomago cheio e espetado, o capitão levou à vitrine um programa preparado em cima do joelho. Deixou ao relento mais de 20 milhões de brasileiros pobres que deixaram de receber o auxílio emergencial da pandemia.

Boiam na atmosfera um conjunto de interrogações. Por exemplo: que critérios técnicos foram utilizados para orçar o novo benefício em R$ 400? É melhor pagar R$ 400 a 17 milhões de famílias ou R$ 300 a um número maior de beneficiários? Se o lema do governo é mais Brasil e menos Brasília, por que as prefeituras foram excluídas da equação?

O medo da derrota levou o goveno a informar que o novo benefício será permanente, não provisório. Mas a proposta apresentada pelo relator Fernando Bezerra não diz de onde sairá o dinheiro a partir de 2023.

Em condições normais, tanto improviso produziria apenas revolta. Com a proliferação da fome, o descaso produz sofrimento e morte.