PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Discurso eleitoral do capitão foi parar na cadeia

só para assinantes
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

22/06/2022 10h07

São devastadores para a campanha de Bolsonaro os efeitos da prisão do ex-ministro Milton Ribeiro e dos pastores que trocaram propina por verbas públicas no Ministério da Educação. A cara do presidente, que estava chamuscada, ficou carbonizada. Seu discurso anticorrupção foi parar na cadeia. O desespero de Bolsonaro tende a aumentar assim que ele se der conta dos riscos a que estará sujeito caso deixe de dispor das imunidades e da blindagem que o cargo de presidente lhe proporcionam.

"Ele que responda pelos atos deles", declarou Bolsonaro, tomando distância. "Se a PF prendeu, tem um motivo". Assim fica fácil. Primeiro, o presidente entrega os cofres do MEC ao centrão. Depois, manda o ministro abrir as portas da pasta para seus pastores de estimação. Confrontado com o noticiário sobre a corrupção, acusa a imprensa de "covardia" e coloca a "cara no fogo" pelo auxiliar. Consumada a prisão, finge que não tem nada a ver com o problema. Fica entendido que, sob Bolsonaro, o cinismo também é uma forma de patriotismo.

Bolsonaro caiu em sua própria armadilha. Demitiu o pastor Ribeiro quando ficou claro que sua permanência no cargo intoxicava a campanha à reeleição. Com o gesto, retirou do auxiliar o foro especial que mantinha o caso no Supremo. O envolvimento do presidente da República poderia reter o caso na Corte Suprema. Mas a Advocacia-Geral da União disse que nada era como parecia ser.

Ouvida, a Procuradoria-Geral da República também livrou a cara de Bolsonaro. O caso desceu, então, para a primeira instância do Judiciário. Deu no que está dando.

Quando ainda ostentava o cargo de ministro, Milton Ribeiro disse que privilegiava requisições de verbas avalizadas por pastor evangélico graças a um "pedido especial" de Bolsonaro. O comentário foi gravado.

Os pastores lobistas tinham acesso privilegiado também ao Planalto. Estiveram com Bolsonaro e outras autoridades palacianas. No total, participaram de 35 reuniões na sede do governo.

A despeito de todas as evidências em contrário, a vice-procuradora-geral da República Lindôra Araújo, braço direito do antiprocurador-geral Augusto Aras e simpática ao bolsonarismo, sustentou em ofício remetido ao Supremo que não havia elementos para investigar Bolsonaro. Àquela altura, Milton Ribeiro já não era ministro.

A manifestação de Lindôra foi uma resposta à ministra Cármen Lúcia. Relatora da encrenca no Supremo, ela estranhara a ausência de Bolsonaro no pedido de abertura de inquérito formulado pela Procuradoria-Geral. Para Aras e sua equipe nem mesmo a menção ao nome do presidente em áudio do então ministro justificava uma apuração para verificar até que ponto a cara de Bolsonaro estava tostada pelas labaredas do MEC.

Cármem Lúcia viu-se compelida a enviar o caso para o primeiro grau, um nível que não se encontram no raio de abrangência da blindagem de Aras e do setor da PF que se dedica à investigação de parlamentares e autoridades de primeiro escalão. O lero-lero de Bolsonaro segundo o qual não haveria corrupção no se governo já havia perdido o prazo de validade. Com a prisão dos pastores, esse discurso virou conversa de pátio de penitenciária.

Aos pouquinhos, Bolsonaro vai percebendo os riscos que correm os parceiros e os cumplices do centrão quando não dispõem do escudo proporcionado pelas prerrogativas de um cargo graúdo.