PUBLICIDADE
Topo

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido
Seu cadastro foi concluído!
reinaldo-azevedo

Reinaldo Azevedo

mauricio-stycer

Mauricio Stycer

josias-de-souza

Josias de Souza

jamil-chade

Jamil Chade

Josias de Souza

Bolsonaro agora precisa rezar para que Ribeiro coloque cara no fogo por ele

Conteúdo exclusivo para assinantes
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

23/06/2022 09h16

Na avaliação feita pelo comitê de campanha de Bolsonaro, a prisão do ex-ministro Milton Ribeiro e dos pastores lobistas do MEC tem alto potencial destrutivo. Montou-se às pressas uma operação para tentar reduzir os danos. O plano foi estruturado em cima de um paradoxo: Em público, tenta-se distanciar Bolsonaro de Ribeiro. Nos bastidores, o Planalto envia ao ex-ministro a mensagem de que ele não será abandonado. Bolsonaro agora precisa rezar para que Milton Ribeiro se disponha a colocar a cara no fogo por ele.

Instalou-se ao redor de Bolsonaro uma atmosfera que foi definida por um dos operadores do presidente como de "alta tensão". A 100 dias da eleição, injetou-se uma crise ética dentro da campanha num instante em que o candidato já arrasta pela conjuntura a bola de ferro da crise econômica. Elegeu-se como prioridade a preservação de três pilares da estratégia eleitoral traçada anteriormente.

Num esforço para manter a pregação anticorrupção, decidiu-se aprofundar a tática de rememorar os escândalos da era petista. Imagina-se que isso inibirá a exploração do escândalo pelo PT e por Lula. Mobilizaram-se pastores amigos para tentar evitar prejuízos à aliança mística que Bolsonaro cultiva com a religiosidade. Donos de 32 milhões de votos, os evangélicos genuínos não costumam compactuar com transgressões éticas. Teme-se que o caso dos pastores leve ao desembarque de parte desse segmento.

De resto, o comitê de Bolsonaro busca informações que permitam à campanha caminhar à frente dos investigadores. O processo da Controladoria-Geral da União sobre as perversões dos pastores está sendo esquadrinhado pelo comitê da reeleição. Bolsonaro encomendou ao Ministério da Justiça dados detalhados sobre o inquérito da Polícia Federal. O presidente dá de ombros para o fato de que o processo corre em sigilo.