PUBLICIDADE
Topo

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido
Seu cadastro foi concluído!
reinaldo-azevedo

Reinaldo Azevedo

mauricio-stycer

Mauricio Stycer

josias-de-souza

Josias de Souza

jamil-chade

Jamil Chade

Josmar Jozino

Integrante do PCC é ouvido por juiz em audiência virtual apesar de foragido

24.jun.2006 - Penitenciária 2 de Presidente Venceslau, onde está presa a cúpula do PCC - Lalo de Almeida/Folhapress
24.jun.2006 - Penitenciária 2 de Presidente Venceslau, onde está presa a cúpula do PCC Imagem: Lalo de Almeida/Folhapress
Josmar Jozino

Sobre o Autor - Josmar Jozino é jornalista desde 1985. Autor de quatro livros, sendo três sobre crime organizado entre eles, "Cobras e Lagartos", obra referência sobre a facção criminosa PCC que recebeu menção honrosa do Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog em 2005

Colunista do UOL

26/04/2022 16h35

Foragido da Justiça, Edmilson Meneses, 48, o Grilo, participou ontem (25) de audiência virtual na 1ª Vara de Crimes Tributários, Organização Criminosa e Lavagem de Bens e Valores da Capital e foi interrogado pelo juiz Thiago Baldani Gomes de Filippo.
Segundo o MP-SP (Ministério Público do Estado de São Paulo), Grilo, procurado pela polícia e com prisão preventiva decretada, "compareceu à audiência de "forma clandestina, por meio de um usuário de nome rômulo. ruivo".

Para os promotores de Justiça, a atitude de Grilo, ao agir clandestinamente, sem apresentar documento de identidade, reforça a necessidade de manter a prisão cautelar dele. O MP-SP defendeu a abertura de inquérito para apurar eventuais crimes contra a administração da Justiça cometido pelo foragido.

Grilo foi denunciado à Justiça por associação à organização criminosa e lavagem de dinheiro. Ele e outros 17 réus apontados como integrantes do PCC (Primeiro Comando da Capital) são acusados de movimentar R$ 1 bilhão da facção criminosa no período de janeiro de 2018 a julho de 2019.

O Gaeco (Grupo de Atuação Especial e de Combate ao Crime Organizado), órgão subordinado ao MP-SP, classifica Grilo como um criminoso de altíssima periculosidade. Ele é cunhado de Roberto Soriano, o Tiriça, da cúpula do PCC e preso na Penitenciária Federal de Brasília.

De acordo com o Gaeco, o fugitivo é egresso do sistema prisional desde 11 de fevereiro de 2016 e em 2013 integrou a célula "sintonia dos gravatas", o braço jurídico do PCC, acusado de levar e trazer recados para os líderes da facção recolhidos à época na Penitenciária 2 de Presidente Venceslau (SP).

Os relatórios de investigações elaborados pelo Gaeco mencionam que Grilo é um grande traficante de drogas na capital paulista e também atua no mercado internacional, mais especificamente na exportação de cocaína para a Europa.

Além de Grilo também participou da audiência ontem o preso Valdeci Alves dos Santos, 50, o Colorido. Ele estava foragido desde agosto de 2014 e foi capturado no último dia 16 por policiais rodoviários federais em uma blitz em Salgueiro, no interior pernambucano.

A defesa

Colorido está recolhido na Penitenciária Federal de Brasília. Antes de ser detido, ele era apontado pelo MP-SP como o número 2 do PCC nas ruas, ficando atrás apenas de Marcos Roberto de Almeida, 52, o Tuta, ainda foragido. Os dois réus ouvidos se declararam inocentes ao magistrado.

Procurado pela reportagem, o advogado Bruno Ferullo, defensor de Edmilson e Valdeci, disse que seus clientes não são traficantes de drogas, não integram o crime organizado e foram absolvidos sumariamente pela Justiça da acusação do crime de lavagem de dinheiro.

Segundo Bruno Ferullo, todas as acusações feitas pelo MP-SP contra os clientes são infundadas e inverídicas. Ele acrescentou que a inocência de ambos será demonstrada ao longo da instrução processual.

Em relação ao fato de Edmilson ter participado da audiência virtual mesmo foragido, o defensor afirmou que "esse é um direito de todos os réus, presos ou não, e se traduz em prerrogativas jurídicas essenciais que derivam da garantia constitucional".