PUBLICIDADE
Topo

Kennedy Alencar

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Lula e Alckmin querem atrair PSD de Kassab para fechar chapa em 2022

Conteúdo exclusivo para assinantes
Kennedy Alencar

O jornalista Kennedy Alencar é correspondente e comentarista da rádio CBN em Washington. Começou sua carreira em 1990 na ?Folha de S.Paulo?, onde foi redator, repórter, editor da coluna ?Painel? e enviado especial às guerras do Kosovo e Afeganistão. É autor do livro ?Kosovo, a Guerra dos Covardes? (editora DBA). Na RedeTV!, apresentou durante cinco anos o programa de entrevistas ?É Notícia? e mediou os debates presidenciais de 2010 e municipais de 2012. Estreou como comentarista da rádio CBN em 2011. Criou o "Blog do Kennedy" em 2013. Trabalhou no SBT entre 2014 e 2017. É produtor-executivo e roteirista do documentário ?What Happened to Brazil?, realizado para a BBC World News. Com uma versão em português intitulada ?Brasil em Transe?, o documentário retrata a crise que começa nas manifestações de junho de 2013, passa pelo impacto da Lava Jato e do impeachment de Dilma na política e na economia e resulta na eleição de Bolsonaro.

Colunista do UOL

20/12/2021 13h20

Na articulação para a chapa Lula-Alckmin, o movimento mais recente é a tentativa de atrair o PSD de Gilberto Kassab para uma eventual aliança. Lula e Geraldo Alckmin têm atuado nesse sentido.

A eventual filiação de Alckmin ao PSB já está bem encaminhada. Mas Lula e o ex-governador paulista, pensando numa aliança que seja forte eleitoralmente e sirva de embrião para a governabilidade de futura administração, querem a participação do PSD.

Kassab, que lançou a pré-candidatura a presidente de Rodrigo Pacheco, presidente do Senado, está conversando nos bastidores sobre a hipótese de filiar Alckmin ao PSD e indicá-lo como vice de Lula.

Nesse caso, Alckmin agregaria um apoio político conservador às alianças tradicionais que o PT costuma fazer. O PSB, por exemplo, foi parceiro dos petistas em campanhas presidenciais.