PUBLICIDADE
Topo

Kennedy Alencar

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Com graça a Silveira, Bolsonaro atinge 1.175 casos de assédio institucional

Conteúdo exclusivo para assinantes
Kennedy Alencar

O jornalista Kennedy Alencar é correspondente e comentarista da rádio CBN em Washington. Começou sua carreira em 1990 na ?Folha de S.Paulo?, onde foi redator, repórter, editor da coluna ?Painel? e enviado especial às guerras do Kosovo e Afeganistão. É autor do livro ?Kosovo, a Guerra dos Covardes? (editora DBA). Na RedeTV!, apresentou durante cinco anos o programa de entrevistas ?É Notícia? e mediou os debates presidenciais de 2010 e municipais de 2012. Estreou como comentarista da rádio CBN em 2011. Criou o "Blog do Kennedy" em 2013. Trabalhou no SBT entre 2014 e 2017. É produtor-executivo e roteirista do documentário ?What Happened to Brazil?, realizado para a BBC World News. Com uma versão em português intitulada ?Brasil em Transe?, o documentário retrata a crise que começa nas manifestações de junho de 2013, passa pelo impacto da Lava Jato e do impeachment de Dilma na política e na economia e resulta na eleição de Bolsonaro.

Colunista do UOL

28/04/2022 20h30

Na sua política de destruição institucional, o presidente Jair Bolsonaro bate recordes seguidos de uma recente forma de assédio. Trata-se do assédio institucional, que pode ser entendido como uma estratégia deliberada de enfraquecimento de políticas públicas construídas desde a redemocratização de 1985.

O livro "Assédio Institucional no Brasil: Avanço do Autoritarismo e Desconstrução do Estado" será lançado na terça-feira que vem na Câmara dos Deputados, em Brasília. O assediômetro contabiliza 1.175 casos no governo Bolsonaro, incluída a graça concedida por Bolsonaro ao deputado Daniel Silveira (PTB-RJ), parlamentar condenado pelo Supremo Tribunal Federal a oito anos e nove meses de prisão por crimes contra a democracia.

O livro foi organizado por José Celso Cardoso Jr., presidente da Afipea (Associação dos Funcionários do Ipea, o Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada, uma fundação vinculada ao Ministério da Economia).

Esse tipo de assédio não é novo no poder público. Surgiu no impeachment de Dilma Rousseff (golpe parlamentar), mas ganhou impulso com Bolsonaro devido à estratégia de destruição das políticas públicas. O assédio institucional é uma prática que vai além do assédio moral e individual. Ele atinge as instituições do estado.

Exemplos: o desmonte da fiscalização ambiental no Ibama e no ICMBio, corte no orçamento do IBGE, flexibilização da legislação sobre terras públicas (o que facilita invasões), paralisação de políticas culturais (caso Ancine) e os projetos para permitir garimpo e exploração agrícola em reservas indígenas.

Assista acima à entrevista concedida por José Celso Cardoso Jr. ao "UOL News" na noite desta quinta-feira, na qual ele diz que o assédio institucional é um "método" do governo Bolsonaro.