PUBLICIDADE
Topo

Leonardo Sakamoto

Brasil pode passar por ondas de confinamentos aponta simulador de Covid-19

Outdoor em Santos sobre o coronavírus - Divulgação
Outdoor em Santos sobre o coronavírus Imagem: Divulgação
Leonardo Sakamoto

É jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em países como Timor Leste e Angola e violações aos direitos humanos em todos os estados brasileiros. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). Diretor da ONG Repórter Brasil, foi conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão (2014-2020) e comissário da Liechtenstein Initiative - Comissão Global do Setor Financeiro contra a Escravidão Moderna e o Tráfico de Seres Humanos (2018-2019). É autor de "Pequenos Contos Para Começar o Dia" (2012), "O que Aprendi Sendo Xingado na Internet" (2016), ?Escravidão Contemporânea? (2020), entre outros livros.

Colunista do UOL

01/04/2020 03h18

Pesquisadores brasileiros desenvolveram modelo para simular cenários de contágio pelo coronavírus e reforçam a necessidade de isolamento social como principal medida de controle. Os resultados corroboram o que a Organização Mundial da Saúde e o Ministério da Saúde vêm alertando: um isolamento social mal feito neste momento provocará mais mortes e mais danos à economia.

"Sem confinamento algum, em locais com altíssima densidade demográfica, até 90% da população seria infectada simultaneamente no pico da contaminação. Para reduzir essa taxa de infecção para menos de 10%, nesse cenário, o modelo indica a necessidade de se confinar mais que 96% da população", afirmou à coluna a pesquisadora brasileira Patrícia Camargo Magalhães, pós-doutoranda na Universidade de Bristol, no Reino Unido.

Ela é uma dos autores da pesquisa e do modelo, junto com o economista José Paulo Guedes Pinto e o cientista da computação Carlos da Silva dos Santos, ambos professores da Universidade Federal do ABC, em São Paulo.

A OMS e o Ministério da Saúde recomendam o isolamento e o distanciamento social para evitar um tsunami de casos graves, que levarão postos de saúde e hospitais ao colapso. O objetivo é garantir que a infecção ocorra "em prestações", tornando possível atender a todos os doentes e também aos pacientes de outras enfermidades e acidentes - que não param para esperar a pandemia passar.

De acordo Patrícia Magalhães, ainda que a sociedade seja "feliz" no isolamento, a reintrodução periódica do vírus no ambiente, como está acontecendo com a China agora, irá levar o coronavírus a produzir novos surtos.

Imagem de simulador de Covid-19 desenvolvido por pesquisadores da UFABC e da Universidade de Bristol - Reprodução - Reprodução
Imagem de simulador de Covid-19 desenvolvido por pesquisadores da UFABC e da Universidade de Bristol
Imagem: Reprodução

Segundo a análise dos acadêmicos, a saída da quarentena e do isolamento nos países também será um fator decisivo, pois fazer isso antecipadamente pode reiniciar um processo agudo de contaminação. "O simulador aponta para a necessidade de novos períodos de confinamento alternados com momentos de liberação da população, pelo menos enquanto não houver acesso a vacinas, testagem e/ou tratamentos eficazes", explica.

Os pesquisadores ainda acreditam que a previsão atual de quedas drásticas nos PIBs dos países desenvolvidos, poderá ser ainda pior em um cenário cíclico, chegando a reduções de 18%.

Propostas como o "isolamento vertical", defendida pelo presidente Jair Bolsonaro, segregando apenas pessoas mais vulneráveis a desenvolver Covid-19, como idosos e indivíduos imunodeprimidos, não serão capazes de reduzir a intensidade da infecção e, portanto, a taxa de letalidade da doença, nesse cenário.

Vale lembrar mais uma vez que a sobrevivência dos pacientes depende da capacidade do sistema de saúde de tratar os casos mais graves, com respiradores e acompanhamento intensivo de profissionais de saúde.

A ferramenta está disponível on-line. Qualquer pessoa, mesmo sem saber programar, pode definir outros cenários, como taxa de confinamento e de sobrevivência, densidade populacional, imunidade, capacidade e janela de transmissão, e rodar as simulações. Opensource, está aberta para qualquer um se apropriar do código e modificá-lo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL