PUBLICIDADE
Topo

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido
Seu cadastro foi concluído!
reinaldo-azevedo

Reinaldo Azevedo

mauricio-stycer

Mauricio Stycer

josias-de-souza

Josias de Souza

jamil-chade

Jamil Chade

Leonardo Sakamoto

Se Kassio Nunes for para o STF, vai ter gente que paparicou Bolsonaro à toa

Conteúdo exclusivo para assinantes
Leonardo Sakamoto

É jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em países como Timor Leste e Angola e violações aos direitos humanos em todos os estados brasileiros. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). Diretor da ONG Repórter Brasil, foi conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão (2014-2020) e comissário da Liechtenstein Initiative - Comissão Global do Setor Financeiro contra a Escravidão Moderna e o Tráfico de Seres Humanos (2018-2019). É autor de "Pequenos Contos Para Começar o Dia" (2012), "O que Aprendi Sendo Xingado na Internet" (2016), ?Escravidão Contemporânea? (2020), entre outros livros.

Colunista do UOL

30/09/2020 14h47

Confirmada a indicação do desembargador Kassio Nunes Marques à vaga que será aberta com a aposentadoria do ministro Celso de Mello no Supremo Tribunal Federal, Bolsonaro deixará a ver navios pretendentes no Judiciário, Ministério Público e Poder Executivo. Gente que se esforçou (muito) em agradá-lo na busca pelo Olimpo. Traduzindo: paparicaram o homem à toa ao invés de se preocuparem com o interesse público.

Deve ser frustrante para outros candidatos - que tentaram genuinamente cair nas graças do presidente da República através de ações e declarações que protegiam os interesses dele, de sua família e de seus amigos - ver alguém que corria por fora (e que, aparentemente, não prestou nenhum favor a ele) levando a melhor. A informação sobre a indicação foi revelada por Lauro Jardim, em O Globo.

Se o nome de Kassio Nunes se confirmar, Bolsonaro e assessores terão sido politicamente engenhosos, acenando para os ministros do STF com alguém de perfil mais técnico e menos ideológico que as outras opções - o que ajuda a melhorar a relação entre eles. Ao mesmo tempo, Nunes foi sugerido por seu conterrâneo piauiense, Ciro Nogueira, presidente do PP e um dos líderes do centrão. Ou seja, pode ser ponto também com o Congresso e com lideranças do Nordeste.

Nogueira é, a propósito, réu no Supremo por corrupção passiva e lavagem de dinheiro em decorrência da operação Lava Jato.

Desembargador do Tribunal Regional Federal, Kassio Nunes Marques é formado pela Universidade Federal do Piauí, com mestrado pela Universidade Autônoma de Lisboa. Assumiu o TRF, em 2011, pela cota das vagas destinadas a membros da advocacia. Tem 48 anos e, portanto, ficaria quase três décadas no STF caso escolhido.

Em 2018, suspendeu liminar que impedia entrada de imigrantes venezuelanos no Brasil. Por outro lado, em 2019 suspendeu liminar que obrigava a desocupação de moradores não-indígenas de uma terra indígena em Poxoréu (MT). Já defendeu que a decretação de prisão após condenação em segunda instância não seria obrigatória.

Procuradores da República que já atuaram em casos com ele relataram à coluna que, além de sua alta produtividade e de seu perfil mais técnico, ele também sabe ser político (conta com decisões importantes que ajudaram governos).

Candidatos a postos indicados por presidentes e governadores sempre vão tentar mostrar que são e serão úteis. Mas caso a indicação se confirme, isso poderia servir para que ocupantes de cargos públicos se preocupassem mais com o interesse público do que com o bem-estar daquele que pode beneficiá-los.

Ou não, uma vez que Bolsonaro ainda deve indicar o sucessor do ministro Marco Aurélio Mello no ano que vem. Ou seja, há espaço para o presidente colocar um ministro ultraconservador, "terrivelmente evangélico" e fiel a ele.

Nesse sentido, pode estar pensando: para que indicar um desses que me servem tão bem na Justiça, no Ministério Público e no Poder Executivo logo agora? Deixa que se esforcem mais um pouco.

Ou tudo isso sobre o que estamos falando é bobagem, pois a notória imprevisibilidade de Bolsonaro pode levar a um duplo twist carpado e, no final, ele indicar à sabatina no Senado o nome de J.Pinto Fernandes ou um dos mais bem cotados à vaga. Ou mesmo a Wal do Açaí.

Em tempo: começa agora o processo de fritura do desembargador por bolsonaristas em grupo de WhatsApp e redes sociais.