PUBLICIDADE
Topo

Rogério Gentile

Prefeitura de SP pede penhora de bens de Roberto Carlos em dívida de IPTU

Rogério Gentile

Rogério Gentile é jornalista formado pela PUC-SP. Durante 15 anos, ocupou cargos de comando na redação da Folha de S.Paulo, liderando coberturas como a dos ataques da facção criminosa PCC, dos protestos de 2013 e das eleições presidenciais de 2010 e 2014, entre outras. Editou a coluna Painel e o caderno Cotidiano e foi secretário de Redação, função em que era responsável pelas áreas de produção e edição do jornal. Atuou como repórter especial da Folha de 2017 a 2020 e atualmente é colunista.

Colunista do UOL

09/11/2020 11h53

A Prefeitura de São Paulo pediu a penhora dos bens do cantor e compositor Roberto Carlos por conta de uma dívida de IPTU de cerca de R$ 45 mil.

Roberto Carlos é o proprietário de um imóvel localizado no Cambuci onde funciona um restaurante do cantor Ed Carlos, o "Reizinho da Jovem Guarda", apelido que ganhou aos 13 anos ao ser convidado a participar do lendário programa da TV Record. Em 1979, Ed lançou a música "Roberto, meu amigão". Ele encerrou a carreira aos 35 anos.

Ed Carlos, cujo nome verdadeiro é Oscar Teixeira, sofreu um AVC em 2005, mesma época em que a então dona do imóvel pediu o prédio de volta, rescindindo a locação.

Roberto Carlos ficou sabendo e comprou o edifício, que tem três andares. "O Roberto nunca me cobrou nenhum aluguel, ele não me deixa pagar nem o IPTU", disse Ed Carlos em entrevista ao UOL em 2015.

19.ago.2015 - Ed Carlos, cantor da Jovem Guarda, apresenta seu restaurante Ed Carnes, no Cambuci, em São Paulo - Rodrigo Capote/UOL - Rodrigo Capote/UOL
19.ago.2015 - Ed Carlos, cantor da Jovem Guarda, apresenta seu restaurante Ed Carnes, em SP
Imagem: Rodrigo Capote/UOL
Decorado com fotografias de Ed Carlos, de Roberto e de outros cantores da Jovem Guarda, o restaurante "Ed Carnes" possuiu dois palcos. Com alguma frequência, antigos colegas se apresentam na churrascaria do "Reizinho da Jovem Guarda".

No passado, a prefeitura entrou na Justiça cobrando de Roberto Carlos a dívida, referente a dez prestações não pagas do IPTU de 2018.

Em março, o cantor fez um acordo de parcelamento da dívida com a prefeitura e os seus advogados apresentaram à Justiça o comprovante do pagamento da primeira parcela. Depois disso, no entanto, segundo a prefeitura, não houve mais pagamento algum.

A assessoria de imprensa de Roberto Carlos afirma que a dívida é do inquilino, que a quitação será feita, e que os bens do cantor não serão penhorados.

A Justiça ainda não analisou o pedido de penhora.