PUBLICIDADE
Topo

Ronilso Pacheco

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Com Mendonça no STF, o ultraconservadorismo no Brasil consolida nova fase

Indicação de André Mendonça ao STF foi publicada hoje no Diário Oficial -
Indicação de André Mendonça ao STF foi publicada hoje no Diário Oficial
Ronilso Pacheco

Ronilso Pacheco, Teólogo pela PUC-Rio, Pastor auxiliar, ativista e escritor, é pesquisador e mestrando no Union Theological Seminary, da Columbia University em Nova Iorque, autor de "Teologia Negra, o sopro antirracista do Espírito", “Profetismo, Utopia e Insurgência” e "Ocupar, Resistir, Subverter: igreja e teologia em tempos de violência, racismo e opressão”. É Fellow da Ford Foundation Global Fellowship

13/07/2021 13h49

Não chega a ser exatamente uma surpresa, mas a indicação de André Mendonça para uma cadeira no STF (Supremo Tribunal Federal), ocupando a vaga do decano Marco Aurélio, significa uma virada, ou o ápice da virada, na disputa social e política no país, que precisará lidar com o ultraconservadorismo evangélico que se consolida no governo Bolsonaro.

É uma espécie de mudança de fase —e nós estamos entrando em uma fase mais complexa e dura do jogo. Era definitivamente mais fácil lidar com a difusão da bancada evangélica, movida em grande parte por lobbies e interesses pessoais ou oligárquicos.

Com o tempo, veremos a diferença que é lidar com a histeria de Silas Malafaia, a dissimulação de Edir Macedo, as loucuras de Valdomiro Santiago e a desfaçatez dos bispos-parlamentares "donos" das Assembleias de Deus. Mendonça no STF significa um outro nível de luta.

O grupo que apoiou, se aproximou e entrou no governo Bolsonaro desde 2018 é muito mais sutil, discreto, nocivo e segue à risca as estratégias do ultraconservadorismo —ou o nacionalismo cristão— dos Estados Unidos.

Trata-se de fomentar, de fato, uma "guerra cultural". Chegar ao STF era fundamental para garantir a mais importante trincheira. Quando dois exércitos entram em guerra, os estrategistas de ambos estão focados no que está em disputa.

A ascensão de Mendonça é importante porque, definitivamente, nenhum ministro do STF tem esta ideia de guerra cultural em mente. Para alguns, Mendonça pode ser um "militante conservador" da pauta de costumes, e só.

Mas ele é um calvinista ultraconservador defensor da cosmovisão cristã como lentes pelas quais o mundo deve ser visto e assimilado. Ele vai travar esta guerra cultural com naturalidade e não como ativista; estrategicamente e não pontualmente.

Mendonça não é "terrivelmente evangélico" no trato. Não deverão esperar dele a forma hostil, agressiva e provocativa de lidar, típico dos bolsonaristas. Ele nem mesmo pode ser considerado um bolsonarista, como estamos acostumados a ver a tropa de choque do presidente.

Assim como seus pares conservadores reformados entendem que Bolsonaro é o bufão perfeito, concordam que Mendonça é a figura que assumidamente está do lado dessa proposta da guerra cultural, de impor uma cosmovisão cristã da sociedade.

Essa cosmovisão cristã é a institucionalidade democrática funcionando sob a orientação política cristã fundamentalista e a neutralização de contribuições cristãs progressistas que tentem contribuir para que a religião seja facilitadora, e não uma usurpadora, da esfera pública.

Por outro lado, Bolsonaro sabe que Mendonça era mesmo o nome ideal para que ele inclusive pudesse garantir a sua trincheira de disputa jurídica que pode acontecer em 2022. E Mendonça não está sozinho. Diferente de outros ministros, ele é um "coletivo".

Está levando para o STF as lideranças evangélicas fundamentalistas e conservadoras com enorme capacidade de mobilização e articulação, mesmo que a base evangélica seja diversa e esteja, pouco a pouco, perdendo o interesse em Bolsonaro.

Está levando para o STF a Anajure (Associação Nacional dos Juristas Evangélicos), e todo o seu muito bem articulado e ambicioso ativismo jurídico-religioso. Ele está levando esse núcleo cristão histórico, reformado e ultraconservador, que, a exemplo do reverendo presbiteriano Augustus Nicodemus, hostiliza e desqualifica evangélicos pentecostais, enquanto se acham o suprassumo da razão política e teológica.

Quando Bolsonaro começou a assumir "Deus acima de todos", a bancada evangélica e os tradicionais barões da fé no Brasil pensaram em poder, e passaram a mirar para quem discorda do projeto de poder que eles perseguem, sempre.

Os ultraconservadores calvinistas viram um líder carismático com coragem o bastante para fazer a transição de um país plural e diverso, para um país que, enfim, teria a "decência" de se submeter ao "senhorio de Cristo". Um país sem esquerda ou progressismo, quaisquer que sejam.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL