PUBLICIDADE
Topo

Tales Faria

Apesar de Moro, Bolsonaro estuda criar neste ano o Ministério da Segurança

Bolsonaro espera saída de Sergio Moro para decidir sobre pasta da Segurança Pública - ADRIANO MACHADO
Bolsonaro espera saída de Sergio Moro para decidir sobre pasta da Segurança Pública Imagem: ADRIANO MACHADO
Tales Faria

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, ?Todos os Sócios do Presidente?, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Colunista do UOL

28/01/2020 11h35

O presidente Jair Bolsonaro admitiu, para auxiliares, que não desistiu do Ministério da Segurança definitivamente. E que pode criá-lo ainda em 2020.

O atual ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro, é contra o desmembramento de sua pasta. Chegou a mandar recados ao Palácio do Planalto que poderia pedir demissão se seu poder fosse esvaziado pelo presidente.

Na última quinta-feira, dia 23, em reunião com secretários estaduais de Segurança, o presidente anunciou que estava estudando a criação da pasta.

Diante da reação do ministro, no dia seguinte o presidente voltou atrás e declarou que era "zero" a chance de criar a pasta. Mas deixou no ar: "Não sei amanhã, política tudo muda. Não há essa intenção de dividir."

A quem pergunta se isto quer dizer que Bolsonaro pensa em voltar à carga contra seu ministro da Justiça, interlocutores do presidente explicam que não, não há interesse em manter um clima ruim com o ex-juiz da Lava Jato.

O presidente da República sabe dos índices de popularidade de seu auxiliar e dos riscos para sua candidatura à reeleição, no caso de um rompimento entre os dois. Um risco ainda maior se Sergio Moro sair candidato à Presidência em 2022.

Mas isso também não quer dizer que Bolsonaro tenha desistido da pasta da Segurança. A decisão simplesmente foi adiada.

No dia 1º de novembro o ministro Celso Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), completa 75 anos e terá que se aposentar. E Sergio Moro é o primeiro nome da fila para a vaga.

Em conversa com seu ministro antes da viagem à Índia, Bolsonaro reafirmou o compromisso de indicar o ex-juiz da Lava Jato para o STF. Tanto pode ser já na vaga de Celso de Mello, como no lugar de Marco Aurélio Mello, o ministro que completa 75 anos em julho de 2021.

Caberá a Moro decidir se prefere assumir neste ano ou adiar para 2021 sua posse no Supremo.

No Planalto, a aposta é que Moro vai preferir assegurar a toga de ministro do STF o mais cedo possível.

Sua posse na Corte neste ano é vista pelos integrantes da Lava Jato liderados pelo ex-juiz como extremamente importante. O grupo tem sido derrotado nas últimas decisões do STF pelos ministros garantistas, como Celso de Mello. Com Moro tomando o lugar do decano, a balança fica mais equilibrada.

Além do mais, há sempre o risco de o presidente voltar atrás na indicação em 2021, ou de os dois voltarem a se desentender.

Por tudo isso, tanto o Planalto como os aliados de Sergio Moro torcem que ele assuma em novembro no STF. Satisfaz aos lavajatistas e abre espaço para o presidente criar a pasta da Segurança Pública.

Quanto à possível candidatura presidencial de Sergio Moro, ele ainda se julga novo, com tempo para esperar por 2026.

E quem disse que um ministro do STF não pode se desincompatibilizar para concorrer?

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL