PUBLICIDADE
Topo

Maia e Alexandre de Moraes articulam um cinturão antigolpe com empresários

Tales Faria

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, ?Todos os Sócios do Presidente?, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Colunista do UOL

22/06/2020 09h03Atualizada em 23/06/2020 11h01

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), e o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), têm discutido com empresários, políticos e juristas a formação de o que chamam "um cinturão de apoio às instituições" contra os ataques de bolsonaristas.

Maia e Moraes têm se encontrado regularmente em jantares para discutir a situação do país. Mas as conversas não ficam somente entre os dois. Empresários de peso, como Jorge Moll Filho, principal acionista da rede D'Or de hospitais, também foram chamados para essas conversas.

Jorge Moll é frequentador assíduo das listas de brasileiros incluídos no levantamento da revista Forbes sobre os homens mais ricos do mundo. Na última cotação da revista, figurou com uma fortuna de US$ 2,3 bilhões.

Tanto ao presidente da República como aos políticos em geral, nomes de peso do empresariado têm deixado claras suas preocupações com as consequências da instabilidade política sobre a economia do país, já abalada pela crise do coronavírus.

Os encontros de Maia e Moraes com empresários, juristas e políticos têm sido mantidos em sigilo para não alimentar teorias conspiratórias dos bolsonaristas de que seria um movimento pela derrubada do governo.

Mas o presidente Jair Bolsonaro já foi informado de sua ocorrência e é exatamente assim que ele avaliou: o parlamentar e o ministro do STF estariam urdindo, desde o início do ano, um plano para o impeachment do chefe do Executivo.

Daí porque Bolsonaro resolveu investir na formação de uma base parlamentar de apoio ao governo no Congresso, oferecendo cargos ao Centrão, maior bloco informal do Parlamento e que reúne partidos sem coloração ideológica definida mas com grande aptidão pelo poder.

Com sua movimentação, Bolsonaro acredita que obterá votos suficientes para barrar o impeachment e, também, para minar o poder de Rodrigo Maia na Câmara, evitando que ele eleja seu sucessor no comando da Casa a partir do ano que vem.

Cabe ao presidente da Câmara aceitar ou recusar o início da tramitação dos quase 50 pedidos de impeachment já apresentados ao Congresso.

A nomeação do deputado Fábio Faria (PSD-RN) como ministro das Comunicações foi um aprofundamento da estratégia de Bolsonaro. Não só porque o novo ocupante da pasta é filiado a um dos partidos do centrão, como também porque ele é um dos integrantes do círculo de deputados mais próximos de Rodrigo Maia.

Bolsonaro transferiu para o ministério de Fábio Faria a Secretaria de Comunicação da Presidência e nomeou o chefe do órgão, Fábio Wajngarten, como secretário-executivo da nova pasta. Com isso, acredita que estará mais informado sobre os movimentos do grupo de políticos que gira em torno do presidente da Câmara.

Por outro lado, para evitar uma maior aproximação entre Rodrigo Maia e empresários, o presidente tem minimizado declarações que possam ser tachadas de golpistas.

Mesmo porque a prisão de Fabrício Queiroz na casa de Frederico Wassef, advogado e amigo da família presidencial, diminuiu a margem de manobra de Bolsonaro no jogo do poder em Brasília.

O presidente sabe que os generais da ativa não aceitarão ser envolvidos pelas acusações contra o miliciano que assessorava seu filho e senador, Flávio Bolsonaro. Nessa hora, todo cuidado é pouco para evitar que os militares de alta patente se juntem a Rodrigo Maia e Alexandre de Moraes.

Nota do Blog:

Após a publicação do post o gabinete do ministro Alexandre de Moraes divulgou a seguinte nota:

"O Gabinete do Ministro Alexandre de Moraes informa ser totalmente falsa a matéria do colunista do UOL Tales Faria, publicada na data de hoje (22), com levianas imputações sobre uma absurda participação em "cinturão "antigolpe com empresários". Além de demonstrar desconhecer os princípios básicos que regem a atuação de ministros do STF, o jornalista realizou falha grave de apuração, pois poderia ter evitado o erro se, simplesmente, tivesse o zelo de constatar que o Tribunal está realizando suas sessões de julgamento por teleconferência em virtude da pandemia, e, em respeito ao isolamento social, desde 18 de março, o Ministro encontra-se em São Paulo, não tendo participado de nenhum dos encontros falsamente noticiados."

O repórter voltou às fontes que afirmaram não ter sido um encontro, mas pelo menos três, alguns antes da pandemia. E que, de fato, nem todos foram na residência oficial da Câmara. Em função disso, foi retirada do post a menção ao local.

A assessoria da Câmara também enviou a seguinte nota em que afirma que as reuniões que teve com o ministro Alexandre de Moraes não trataram de articulações contra golpe. Segundo ele, são reuniões institucionais com pautas definidas e transparentes. Eis a nota:

"Em relação à reportagem "Maia e Alexandre de Moraes articulam um cinturão antigolpe com empresários", o presidente da Câmara afirma que é, no mínimo, absurdo o teor da matéria e pede retratação.
Rodrigo Maia não participou de qualquer encontro regular, articulação, o que quer que seja, para organizar "cinturão de apoio" à democracia ou outra fantasia qualquer.
As reuniões que tem e teve com o ministro Alexandre de Moraes, que não vem a Brasília desde o mês de março, são institucionais, com pautas definidas e transparentes.
Em nome do bom jornalismo, o presidente da Câmara lamenta que em nenhum momento ele e sua assessoria foram procurados pelo autor da reportagem, o que enseja o pedido de correção por parte do UOL."

E a assessoria de Jorge Moll afirma:

"A assessoria do empresário Jorge Moll Filho lamenta não ter sido procurada antes da publicação da matéria "Maia e Alexandre de Moraes articulam um cinturão antigolpe com empresários" e esclarece que não procedem as informações colocadas."