PUBLICIDADE
Topo

Thaís Oyama

Caso Abin é a prova escandalosa do uso privado que Bolsonaro faz do Estado

Kim Jong-un, o "gênio entre os gênios", também não sabe a diferença entre Estado e governo -
Kim Jong-un, o "gênio entre os gênios", também não sabe a diferença entre Estado e governo
Thaís Oyama

Thaís Oyama é comentarista política da rádio Jovem Pan. Foi repórter, editora e redatora-chefe da revista VEJA, com passagens pela sucursal de Brasília da TV Globo, pelos jornais Folha de S. Paulo e O Estado de S Paulo, entre outros veículos. É autora de "Tormenta - O governo Bolsonaro: crises, intrigas e segredos" (Companhia das Letras, 2020) e de "A arte de entrevistar bem" (Contexto, 2008).

Colunista do UOL

11/12/2020 11h15

Os apresentadores da TV estatal da Coreia do Norte nem coram ao chamar o ditador Kim Jong-un de "gênio entre os gênios". Falta pouco pra Jair Bolsonaro receber o mesmo tratamento na programação da brasileira EBC, o canal mantido com dinheiro público que o presidente havia prometido extinguir mas resolveu transformar em seu veículo de propaganda particular.

Também a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), uma autarquia, está sendo transfigurada para dar alegrias ao presidente. Hoje no meio do fogo cerrado da guerra das vacinas, a agência em breve terá mais uma diretoria ocupada por um militar claramente alinhado a Bolsonaro, o tenente-coronel do Exército Jorge Luiz Korman.

O atual diretor da agência, o contra-almirante Antonio Barra, é aliado declarado do presidente, do tipo que comparece ao lado dele (sem máscara) em manifestação que pede o fechamento do Congresso e do STF, como ocorreu em março.

O mal-estar dos servidores da Anvisa com as crescentes tentativas de interferência política foi explicitado em carta divulgada ontem, onde se lê que a agência "não serve aos interesses de governos, de pessoas, de organizações ou de partidos políticos".

Não por coincidência, o trecho é idêntico ao do recente discurso feito pelo comandante do Exército, Edson Pujol. Por mais de uma vez, Bolsonaro tentou chamar de sua uma Força que, como lembrou o general, é de Estado.

Consultoria da Abin

Agora, reportagem da revista Época escancara o mais claramente configurado e documentado uso de um órgão de Estado em benefício pessoal do presidente e sua família.

A Agência Brasileira de Inteligência (Abin), diz a revista, colocou seus quadros para traçar uma estratégia destinada a livrar o filho mais velho do presidente do escrutínio da Justiça no caso da "rachadinha".

Dirigida pelo delegado da Polícia Federal Alexandre Ramagem, o amigo do clã Bolsonaro que o presidente queria transformar em diretor-geral da PF, a Abin debruçou-se sobre a ação criminal a que responde Flávio Bolsonaro com o objetivo de encontrar formas de "defender FB no caso Alerj", como explicitado em um dos relatórios reproduzidos pela revista.

A "consultoria" gratuita dada pela agência ao primogênito do presidente da República não se limitou a orientá-lo sobre a melhor forma de livrar-se das malhas da Justiça.

Foi além: sugeriu que o "01" (Bolsonaro) trocasse um funcionário público em posto considerado estratégico por um "ex-policial federal de confiança" e usou de didatismo para ensinar como a defesa de Flávio Bolsonaro poderia obter documentos favoráveis a ele.

Estado X governo

A advogada do filho do presidente deveria "visitar o Tostes, tomar um cafezinho e informar que ajuizará a ação demandando o acesso agora exigido".

"Tostes" é José Tostes Neto, chefe da Receita Federal, peça importante na estratégia da defesa, que pede a anulação da ação contra Flávio por suposto acesso ilegal de investigadores a seus dados fiscais.

Bolsonaro acha que a EBC está lá para divulgar seus feitos, que a Anvisa tem de obedecer aos seus comandos, que o Exército deve lealdade a ele e que a Abin pode ser usada para livrar a cara do seu filho denunciado na Justiça por lavagem de dinheiro, peculato e organização criminosa.

Só os loucos são inimputáveis.

Bolsonaro, embora tente parecer um, ainda não está imune às leis.

E o último presidente do Brasil que ignorou a diferença entre Estado e governo, entre o público e o privado, ainda tem fresca na memória as lembranças da cadeia.