PUBLICIDADE
Topo

Thaís Oyama

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Mirando palanques em 2022, Bolsonaro rifa Weintraub e quer Heleno senador

O presidente Bolsonaro e o ministro Tarcísio Freitas: mais "palatável" que Weintraub -
O presidente Bolsonaro e o ministro Tarcísio Freitas: mais "palatável" que Weintraub
Thaís Oyama

Thaís Oyama é comentarista política. Foi repórter, editora e redatora-chefe da revista VEJA, com passagens pela sucursal de Brasília da TV Globo, pelos jornais Folha de S. Paulo e O Estado de S Paulo, entre outros veículos. É autora de "Tormenta - O governo Bolsonaro: crises, intrigas e segredos" (Companhia das Letras, 2020) e de "A arte de entrevistar bem" (Contexto, 2008).

Colunista do UOL

27/04/2021 11h08

Jair Bolsonaro "lançou" ontem o nome de Tarcísio Gomes de Freitas para o governo do estado de São Paulo, terra de seu arqui-inimigo e potencial adversário em 2022, João Doria. Depois de ouvir um elogio ao ministro da Infraestrutura vindo de um apoiador em frente ao Palácio da Alvorada, o presidente perguntou: "Quem sabe São Paulo adote o Tarcísio para o ano que vem?".

De olho na reeleição — e tendo os filhos Flávio, Carlos e Eduardo como seus principais conselheiros no assunto — Bolsonaro começa a cuidar da montagem de palanques nos estados.

Em São Paulo, agrada ao presidente o fato de Tarcísio ter o apoio de uma parcela do empresariado e ser, segundo crê, mais "palatável" do que o ex-titular da Educação Abraham Weintraub. O ex-ministro, que atualmente mora nos Estados Unidos mas volta e meia ameaça voltar ao Brasil, sonha em disputar o cargo com o apoio de Bolsonaro. Hoje, suas chances são remotas. "O presidente vai escolher seus candidatos de acordo com a conveniência política", avisa um assessor.

Na Bahia, onde Bolsonaro esteve ontem para inaugurar a duplicação de uma rodovia em Feira de Santana, seu candidato é o ministro da Cidadania, João Roma (Republicanos).

No Rio, Flávio Bolsonaro defende o apoio à reeleição do governador interino, Cláudio Castro (PSC). No Rio Grande do Sul, Ônyx Lorenzoni (Democratas), ministro da Secretaria Geral da Presidência, já se considera o dono da vaga de candidato do governo. O vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB), que chegou a ter a pré-candidatura ao executivo daquele estado aventada por empresários gaúchos, deve se contentar com uma tentativa para o Senado, como admitiu na semana passada.

Também para uma vaga no Senado, só que pelo Distrito Federal, Bolsonaro quer o general Augusto Heleno (sem partido), chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI).

Heleno é, entre os generais da ativa e da reserva, o mais popular nas bases bolsonaristas.

Em 2018, só não foi vice de Bolsonaro porque o partido a que ele havia se filiado, o PRP, recusou-se na última hora a lhe dar a legenda, num episódio até hoje pouco explicado. Tempos depois, Heleno disse a interlocutores que aquela havia sido a maior derrota da sua vida. Embora não admita publicamente, ele queria muito ser vice de Bolsonaro.

Para 2022, o presidente tem dito novamente que quer um vice evangélico, mas que não descarta a repetição da dobradinha com um militar.