PUBLICIDADE
Topo

UOL Confere

Uma iniciativa do UOL para checagem e esclarecimento de fatos


UOL Confere

Países europeus com vacinação similar ao Brasil mantêm uso de máscara

19.jun.2021 - Mais de um ano de pandemia depois, pessoas nem sempre obedecem à obrigatoriedade do uso de máscara no Brasil - Aloísio Maurício/Fotoarena/Estadão Conteúdo
19.jun.2021 - Mais de um ano de pandemia depois, pessoas nem sempre obedecem à obrigatoriedade do uso de máscara no Brasil Imagem: Aloísio Maurício/Fotoarena/Estadão Conteúdo

Do Projeto Comprova

16/09/2021 10h29Atualizada em 16/09/2021 13h34

É enganoso o tuíte segundo o qual "muitos países europeus, menos vacinados (do que o Brasil)", aboliram o uso obrigatório de máscaras como medida de segurança contra o novo coronavírus. O índice de brasileiros imunizados com pelo menos uma dose em 14 de setembro era de 66% segundo a plataforma Our World in Data, e, na mesma data, de 27 nações europeias com índice igual ou menor, 26 continuam recomendando o uso da proteção facial.

A Alemanha, por exemplo, recomenda fortemente que a máscara "seja usada em locais onde pode ser difícil manter a distância de segurança" - em Berlim, especificamente, é obrigatória a utilização do modelo PFF2 no transporte público.

No Chipre, a regra é mais rígida: quem for visto sem máscara em locais públicos fechados ou abertos pode ser multado em 300 euros, o equivalente a cerca de R$ 1.857, com base na cotação de 15 de setembro. Os dois países estavam com 66% da população imunizada, mesma taxa que o Brasil, em 14 de setembro.

A postagem foi feita pelo perfil @monark no Twitter. A reportagem tentou entrar em contato com o autor do post, mas não obteve retorno até a publicação deste texto. O conteúdo foi considerado enganoso pelo Comprova por usar dados imprecisos com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Como verificamos?

No Our World in Data, site ligado à Universidade de Oxford que coleta dados sobre a pandemia, conferimos os índices de vacinação de países europeus e, com esses dados, entramos nos sites do Ministério da Saúde de nações que apresentavam taxa igual ou inferior à do Brasil para checar as recomendações em relação às máscaras.

Buscamos ainda, no site do Ministério da Saúde brasileiro, as diretrizes sobre o uso de máscaras de proteção individual.

Além disso, buscamos atualizações das medidas de prevenção ao coronavírus nos portais de 27 países da Europa que vacinaram até o momento menos de 66% da população total.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 15 de setembro de 2021.

Verificação

Ritmo da vacinação na Europa

Conforme a plataforma Our World in Data, 42,3% da população mundial recebeu pelo menos uma dose da vacina contra a covid até o início desta semana, tendo sido administradas 5,76 bilhões de doses. Atualmente, são aplicadas, em média, 33 milhões de doses ao dia.

Na Europa, a vacinação segue com disparidade entre os países. Enquanto alguns possuem mais de 80% da população vacinada, como Portugal (87%), Malta (81%) e Espanha (80%), outros sequer chegaram aos 20%, como Bósnia e Herzegovina (19%), Bielorrússia (18%), Bulgária (16%), Moldávia (14%) e Ucrânia (14%), todos no leste europeu.

Onze países do continente estão na faixa entre 60% e 69% dos habitantes vacinados ao menos com a primeira dose, mesmo recorte em que se encontra o Brasil, atualmente com 66% da população tendo recebido a primeira dose do imunizante.

Máscara em países europeus

Diferentemente do que afirma o post, a maioria dos países europeus com taxa de vacinados igual ou inferior à do Brasil (até 14 de setembro) continua recomendando, ou exigindo, o uso da proteção facial. A seguir, confira a política em relação ao uso de máscaras em cada uma dessas nações, segundo seus governos:

  • Chipre: uso obrigatório em espaços públicos fechados e abertos; cobrança de multa de 300 euros para quem desobedecer a regra.
  • Alemanha: proteção é fortemente recomendada em locais onde é difícil manter distanciamento social.
  • Lituânia: a máscara deve ser usada.
  • Áustria: população deve usar máscara PFF2 em espaços como transporte público, mercados, museus e lojas.
  • Turquia: a máscara é obrigatória em público.
  • Grécia: penalidades para quem não usar máscara incluem suspensão no trabalho, na escola (para estudantes) e proibição de viagens.
  • Liechtenstein: uso obrigatório no transporte público e em locais onde não é possível manter o distanciamento.
  • Suíça: Uso obrigatório de máscaras em transportes públicos e aviões, áreas de acesso público, em eventos e no trabalho.
  • República Tcheca: Uso obrigatório de máscara e a recomendação é para que sejam utilizadas máscaras com ao menos 94% de filtragem, como a PPF2 ou N95.
  • Polônia: desde 30 de agosto não é mais obrigatório o uso em locais ao ar livre, mas, em espaços fechados, o país mantém o uso obrigatório.
  • Eslovênia: uso obrigatório.
  • Letônia: deve-se usar no transporte público e áreas internas com mais de uma pessoa.
  • Eslováquia: segue em vigor o uso da proteção em ambientes internos em bairros com alto grau de perigo. Em outras regiões, pode-se usar, por exemplo, lenço ou xale para proteger boca e nariz.
  • Sérvia: último decreto foi publicado em 5 de setembro, reforçando a obrigatoriedade do uso de máscaras em locais fechados.
  • Croácia: medidas preventivas baseiam-se em recomendações como o uso de máscara.
  • Cazaquistão: a máscara deve ser usada em ambientes públicos internos e externos e no transporte público; o descumprimento pode resultar em penalidade administrativa.
  • Macedônia do Norte: não é preciso mais usar máscara em locais abertos, exceto quando houver um grupo de pessoas; proteção deve ser usada em locais fechados, como mercados e lojas, e há multa de 20 euros por descumprimento.
  • Montenegro: utilização obrigatória em locais fechados e ambientes abertos onde não é possível manter o distanciamento.
  • Rússia: a obrigatoriedade da máscara segue em vigor.
  • Albânia: o uso de proteção facial segue necessário em todos os espaços públicos internos.
  • Romênia: as máscaras seguem sendo obrigatórias em espaços públicos fechados e em áreas ao ar livre lotadas.
  • Bósnia e Herzegovina: a utilização de máscara é obrigatória em todos os espaços públicos.
  • Bielorrússia: segue sendo obrigatório o uso das máscaras de proteção em ambientes internos e externos.
  • Bulgária: o uso de máscaras segue sendo obrigatório em espaços fechados e ambientes ao ar livre com mais pessoas.
  • Moldávia: a proteção facial segue sendo necessária em espaços públicos, ambientes fechados e no transporte público.
  • Ucrânia: a máscara segue obrigatória em ambientes fechados e no transporte público.
  • Já a Hungria, que havia vacinado 61% de sua população com uma ou duas doses até 14 de setembro, anunciou o fim da obrigatoriedade em julho - o equipamento deve ser utilizado apenas em hospitais e instituições sociais.

Máscara no Brasil

A lei que tornou obrigatório o uso de máscaras de proteção individual em espaços públicos e privados durante a pandemia da covid-19 foi sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e publicada no Diário Oficial da União em 3 de julho de 2020. A legislação autorizava estados e municípios a regulamentarem regimes de multas mediante o descumprimento da lei.

A obrigatoriedade do uso da proteção facial foi estabelecida para vias públicas e transportes públicos coletivos, como ônibus e metrô, assim como em táxis e carros de aplicativos, ônibus, aeronaves ou embarcações de uso coletivo fretados. Segundo a lei, as máscaras podem ser artesanais ou industriais.

Na altura, ainda não havia dados suficientes indicando que máscaras PFF2 ou N95 eram a melhor recomendação para se proteger contra a covid-19. A popularização de modelos mais seguros de máscaras, baseada em uma melhor vedação e filtragem evidenciada em estudos científicos, começou a ocorrer a partir do primeiro trimestre de 2021.

Antes disso, os acessórios de maior proteção eram apenas destinados a profissionais da saúde ou da construção civil e passaram a ser item essencial para proteger toda a população e reduzir a propagação do vírus.

No mesmo dia em que a lei entrou em vigor, o Brasil registrou 1.631 mortes em 24 horas, totalizando 523.699 óbitos pela covid-19 desde o início da pandemia. O país completava uma semana com tendência de queda na média móvel de mortes.

Embora estivesse em queda há uma semana, o índice continuava alto e permanecia acima de 1.000 mortes há 164 dias. Os dados foram obtidos pelo consórcio de veículos de imprensa, do qual o UOL, o Estadão, Folha de S. Paulo, O Globo, G1 e Extra fazem parte.

Até o fechamento desta reportagem, o país registrava 587.847 mortes, desde o início da pandemia. Segundo dados do consórcio de imprensa de 14 de setembro, o país teve 520 óbitos como média móvel, após seis dias com o índice abaixo de 500.

A média móvel é o cálculo da média diária de mortes a partir dos dados dos últimos sete dias. O número é considerado como o mais confiável para avaliar se houve avanço ou regresso da pandemia.

Contra a proteção facial

O presidente Bolsonaro e o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, já fizeram declarações contra o uso obrigatório de máscaras de proteção individual contra a covid-19, determinada por lei.

Alinhado ao presidente, Queiroga disse acreditar que o uso de máscaras tem que ser "um ato de conscientização", em vez de uma determinação do Estado. As declarações foram feitas durante uma entrevista ao canal bolsonarista do YouTube Terça Livre em agosto de 2021.

Segundo o ministro, o uso obrigatório de máscaras gera uma "uma indústria de multas". Queiroga sinalizou ainda que pretendia desobrigar o uso obrigatório do item até o final deste ano.

As declarações foram feitas mesmo com o avanço da variante delta no país, mais transmissível que a gama — antiga P.1 —, que circulava em Manaus, no Amazonas e havia gerado o colapso do sistema de saúde devido ao avanço acelerado de contaminações.

A delta foi registrada pela primeira vez na Índia e se tornou a mutação mais contagiosa da covid-19.

Em comparação com as anteriores, a delta é entre 40% e 60% mais contagiosa do que a variante alfa, detectada na Inglaterra, e quase duas vezes mais transmissível do que a cepa original identificada em Wuhan, China, segundo informações publicadas pelo governo britânico e divulgadas pela BBC. Quando comparada com a gama, segundo estudo feito por pesquisadores da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Imperial College, do Reino Unido, tem taxa de transmissão 34% maior.

O autor do post

O perfil @monark no Twitter pertence a Bruno Aiub, que se define no Linkedin como "um dos maiores influenciadores gamers da internet". Ele apresenta o Flow Podcast, onde já entrevistou nomes que vão do humorista Dedé Santana e o DJ Alok ao governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

Tem 1,1 milhão de seguidores no Twitter e mais de 3,3 milhões em seu canal pessoal no YouTube.

Já fez outra declaração menosprezando a importância de medidas contra a disseminação do coronavírus, como o lockdown. Em 4 de março, escreveu em seu perfil no Twitter: "Eu sinto que o lockdown é uma medida política, eu desconfio da sua eficiência em mitigar a pandemia nesse momento".

No dia seguinte, após críticas, publicou: "Lockdown que ignora a realidade da vida dos mais necessitados, eu sou contra. É fácil pedir sem ter que olhar na cara de uma mãe de família desesperada porque não sabe da onde vai vir o dinheiro do alimento".

A reportagem entrou em contato com o autor do post, mas não obteve retorno até a publicação desta matéria.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova verifica conteúdos suspeitos sobre políticas públicas do governo federal, eleições e pandemia, que viralizam nas redes, como é o caso da postagem aqui verificada, que teve mais de 6,6 mil retuítes e 10,1 mil curtidas até 15 de setembro.

A disseminação de informações falsas ou enganosas que desacreditam o uso de máscaras e outros cuidados contra a covid pode colocar a saúde das pessoas em risco. Até o momento, a proteção facial é uma das poucas formas comprovadas de se evitar a contaminação. Outras são o distanciamento social, a higienização constante das mãos e a vacinação.

Esse mesmo conteúdo foi analisado pelo UOL Confere.

Enganoso, para o Comprova, é conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

O Comprova é um projeto integrado por 33 veículos de imprensa brasileiros que descobre, investiga e explica informações enganosas, inventadas e deliberadamente falsas compartilhadas nas redes sociais ou por aplicativos de mensagens. Envie sua sugestão de verificação pelo WhatsApp no número 11 97045 4984.

UOL Confere