PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Música alta gerou discussão, diz adolescente suspeito de matar francês a pauladas no DF

Edgard Matsuki

Do UOL, em Brasília

10/06/2013 12h17Atualizada em 10/06/2013 16h25

O menor suspeito de ter matado o francês Herve Julien Sancoh, 59, na última sexta-feira (7) em Brasília se apresentou à polícia neste fim de semana. Em depoimento, o jovem de 17 anos afirmou que uma discussão por causa do volume alto da música que ele estava escutando motivou a briga, que terminou na morte do estrangeiro, segundo informou a Delegacia da Infância e do Adolescente do DF.

No depoimento, o adolescente contou que estava na mesma praça que a vítima e que após um pedido para que o volume da música fosse baixado, Sancoh começou a agredir o jovem. O menor diz que pegou um pedaço de pau para se defender e acertou o francês no tórax e nas costas.

De acordo com a delegada Mônica Ferreira, o menor disse que a vítima ainda estava em pé quando ele saiu da praça. “Não temos como confirmar esta informação até o momento, já que as testemunhas chegaram ao local quando a vítima já estava caída”, afirma.

O menor foi apreendido no último domingo (9), após pedido de internação provisória feito pela Justiça. “Nós pedimos a internação por 45 dias pela própria segurança do suspeito, já que o fato causou comoção na Vila Planalto, região em que eles moravam”, diz.

O adolescente já tinha uma passagem pela polícia por roubo e, de acordo com a polícia, tinha envolvimento com jovens que praticaram outros delitos. “Relatos dos moradores da região dão conta de que o suspeito se encontrava na praça com outras pessoas que já tinham passagem na polícia”, diz a delegada.

O corpo de Sancoh ainda se encontra no IML. De acordo com a embaixada da França, o filho dele, que mora em Goiânia, foi informado da morte. A embaixada ainda afirma que Sancoh estava no Brasil desde o fim dos anos 80 e que a entrada dele no país não foi registrada, já que o procedimento não é obrigatório. A vítima ministrava aulas particulares de francês para funcionários da Câmara dos Deputados.

Cotidiano