Topo

Greve de funcionários da CPTM afeta três linhas em SP; paralisação deve atingir 1,7 milhão de usuários

Fabiana Maranhão e Noelle Marques

Do UOL, em São Paulo

13/06/2013 04h00Atualizada em 13/06/2013 09h10

Começou à 0h desta quinta-feira (13) a greve dos funcionários da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos). A decisão foi tomada em assembleia realizada nesta quarta-feira (12). A paralisação deve afetar 1,7 milhão de passageiros da Grande São Paulo. 

A linha 9 - Esmeralda está completamente paralisada, e as linhas 11 - Coral e 12 - Safira operam parcialmente -- na 11, funciona apenas entre as estações Guaianases e Luz, e na 12,  só entre a Manuel Feio e Brás. Não pararam os funcionários das linhas 7 - Rubi e 10 - Turquesa.

A reportagem do UOL presenciou filas enormes nos pontos de ônibus no entorno da estação Guaianases, no extremo leste de São Paulo, e os veículos que fazem a ligação intermunicipal estavam lotados. 

“Eu demoro normalmente duas horas para chegar em casa, mas hoje eu espero chegar até meio dia. E o pior é que não tem ônibus para atender a demanda”, afirma uma mulher que não quis se identificar.

“É uma palhaçada, o trem só funciona na capital", afirma o vigilante Antonio Amorim, 54, que mora em Itaquaquecetuba (36 km da capital) e enfrentava uma longa espera na estação da zona leste.

A SPTrans (São Paulo Transporte), empresa responsável pelo transporte municipal, informou ainda que todos os 15 mil ônibus da cidade vão circular durante todo o dia para tentar evitar filas nos pontos.  

Linhas da CPTM

  • Reprodução/CPTM

Reivindicações da categoria

Na manhã desta quarta, uma reunião de conciliação realizada no TRT (Tribunal Regional do Trabalho), entre os trabalhadores da CPTM e representantes da empresa, terminou sem acordo.

"Tentamos negociar, mas a CPTM não colaborou. Não tivemos outra alternativa a não ser decretar a greve", afirma Everson Craveiro, representante do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias de Transporte de Passageiros da Zona Sorocabana. Trabalhadores ligados ao Sindicato dos Ferroviários da Central do Brasil também participam das negociações.

A categoria reivindica reajuste de 6,77% (equivalente à inflação do período), mais 5% de aumento real, pagamento de vale alimentação de R$ 200, vale refeição composto por 24 cotas de R$ 25, e adicional de risco de vida de 30% ao pessoal que trabalha em estações.

CPTM diz que greve é "irresponsável"

Em nota, a CPTM criticou a decisão, que considerou "irresponsável". "A direção da CPTM ressalta que buscou todas as formas e alternativas no sentido de chegar a um acordo com as entidades sindicais envolvidas e, assim sendo, espera que seus empregados adotem postura responsável em favor da continuidade dos serviços prestados à população", diz o comunicado.

A empresa afirma que apresentou nova proposta de reajuste salarial de 8,56%, aumento de 20% no vale refeição, que passaria de 22 para 24 cotas de R$ 23 por dia (R$ 552 ao mês), além de substituição da cesta básica por vale alimentação no valor de R$ 100.

O TRT determinou que os funcionários devem manter 100% da operação nos horários de pico, entre 6h e 9h e das 16h às 19h. Nos outros horários, 75% da operação deve ser mantida. Caso não cumpra a ordem, os empregados poderão ser responsabilizados civil e penalmente e terão de pagar multa de R$ 100 mil.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Cotidiano