Topo

"Marcelo nunca mostrou interesse por dirigir e por armas", diz irmão de sargento da Rota a TV

Do UOL, em São Paulo

11/08/2013 21h14Atualizada em 11/08/2013 22h43

Um dos irmãos do sargento da Rota (tropa de elite da Polícia Militar paulista) Luís Marcelo Pesseghini, 40, contradisse a versão apresentada por uma testemunha à Polícia Civil, na semana passada, e disse que o policial não havia ensinado o filho, Marcelo Pesseghini, 13, a manusear armas.

  • 10712
  • true
  • http://noticias.uol.com.br/enquetes/2013/08/08/voce-acredita-na-versao-dada-pela-policia-para-a-morte-dos-pms-e-de-sua-familia-em-sao-paulo.js

O depoimento do irmão, que preferiu não se identificar, foi dado neste domingo (11) ao programa Fantástico, da TV Globo. O adolescente é apontado até o momento, nas investigações, como único suspeito de ter se matado após assassinar o pai, a mãe, a cabo da PM Andréia Pesseghini, a avó e a tia-avó.

“Meu irmão era uma pessoa muito coerente, e o Marcelo nunca mostrou interesse nem quanto a dirigir, nem com armas”, disse.

Na última quinta, um policial militar que trabalhava com Andréia afirmou, em depoimento prestado no DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa), que o menino havia aprendido a dirigir com a mãe, e a atirar, com o pai. Em entrevista coletiva sobre esse depoimento, o delegado-chefe da divisão de homicídios, Itagiba Franco, afirmara que a testemunha relatou inclusive ter presenciado situações do tipo.

A reportagem mostrou ainda depoimento de um psiquiatra forense segundo qual “é muito incomum e muito atípico” esse tipo de crime estar vinculado a um menino de 13 anos das condições do estudante. Para o profissional, Daniel Martins de Barros, é recomendável cautela ao fazer  esse tipo de relação.

“[Se for Marcelo o autor dos crimes] É o raro, do raro, do raro. A rigor, não se pode afirmar que uma criança é psicopata, pois ela está em processo de formação de caráter”, declarou Barros, que completou: “É muita irresponsabilidade afirmar algum diagnóstico a esse menino nesse momento.”

    Marcelo precisava de cuidados médicos diários, diz pneumologista

    Já a pneumologista Neiva Damaceno, chefe do Ambulatório de Fibrose Cística da Santa Casa de São Paulo, disse que Marcelo, portador da doença, fazia tratamento no hospital a cada seis semanas, sempre acompanhado de um dos quatro familiares envolvidos na tragédia. Conforme a médica, o menino tinha uma rotina diária de fisioterapia respiratória aliada a duas a três sessões de inalação.

    “Era um menino muito educado, afetuoso, sorridente”, relatou a médica, que se disse “confusa e assustada” ao ter recebido a notícia da chacina e da suposta autoria atribuída a seu paciente.

    “Para mim, ele era uma doce criança. Como se pode atribuir um fato tão horrível a essa criança?”, questionou. “Esse é o maior desafio que eu já vi. É como se amanhã eu acordasse, pegasse um revólver e saísse promovendo uma chacina”, concluiu, sobre a versão apresentada pela polícia.

    O delegado do DHPP toma nesta semana mais depoimentos que ajudem a esclarecer a motivação dos crimes. Também durante a semana, o policial deve receber uma resposta da Polícia Científica sobre laudos realizados sobre o caso.

    Um deles, por exemplo, é o que tentará traçar a sequência e o horário das mortes. Nesse sábado (10), reportagem do SPTV revelou que legistas acreditam que o sargento da Rota tenha sido assassinado cerca de 10 horas antes dos demais familiares.

    Até então, a polícia afirmava que a hipótese mais provável era a de que o PM tivesse sido o primeiro a ser morto, com um tiro na nuca, seguido da mulher e das duas idosas, que dormiam em uma casa ao lado.

    Para legista do caso PC Farias, estudante também foi assassinado

    O médico legista e professor da Ufal (Universidade Federal de Alagoas) George Sanguinetti, que ficou conhecido por refazer o laudo das mortes do casal Paulo Cesar Farias e Suzana Marcolino e apontar que eles foram assassinados em 1996, afirmou em entrevista ao UOL, publicada neste domingo, que o filho do casal de policiais militares paulistas também foi assassinado junto com os pais.

    Ao analisar as fotos da sala em que Marcelo e os pais foram encontrados mortos, Sanguinetti foi categórico ao afirmar que a posição do corpo do adolescente não é compatível com a de um suicídio, e sim, com a de um assassinato.

    "Há muita clareza nas posições dos corpos, que mostram que os três foram assassinados. Ao fazer os cálculos de corpos com estatura semelhantes à da mãe e do filho, podemos observar que todos foram mortos por outra pessoa”, disse Sanguinetti, explicando em um cenário montado com um colchão no chão e um boneco na posição semelhante à qual Marcelo foi encontrado morto.

     

    “A posição em que o corpo do menino caiu, com a mão direita em cima do lado esquerdo da cabeça e o braço esquerdo dobrado para trás, com a palma mão esquerda aberta para cima, não é compatível com a posição de um suicida, e sim, com a de uma pessoa que foi assassinada. A arma do crime também não está no local compatível, que iria aparecer na foto em cima da cama ou próximo aos joelhos do menino”, explicou Sanguinetti.

    Mais Cotidiano