Medo, eventos cancelados e escolas vazias: a rotina de Natal 'sitiada'

Aliny Gama

Colaboração para o UOL, em Maceió

  • Via Certa Natal

    Ônibus incendiado por criminosos na zona norte de Natal

    Ônibus incendiado por criminosos na zona norte de Natal

Uma cidade sitiada, com os habitantes evitando sair à noite, com aulas em escolas e universidades esvaziadas e até shows musicais cancelados. O retrato poderia ser o de uma cidade síria, que convive com guerra civil e combates entre países ocidentais e o Estado Islâmico. Mas é uma capital estadual brasileira que vive uma onda de violência poucas vezes vista no Brasil. 

O medo de ser vítima de ataques criminosos mudou a rotina de moradores de Natal, no Rio Grande do Norte. Usuários de ônibus e trabalhadores do setor de transporte relatam a tensão que estão vivendo, nesses últimos dias no Estado.

Pelo menos 27 ônibus e micro-ônibus foram incendiados no Rio Grande do Norte, entre a última sexta-feira (29) e e madrugada desta terça-feira (2). Os atentados começaram um dia depois que bloqueadores de sinal de celulares foram instalados no PEP (Presídio Estadual de Parnamirim), localizado na região metropolitana de Natal.

Vândalos obstruíram a linha férrea da CBTU (Companhia Brasileira de Trens Urbanos) com pedaços de madeira e latas, no bairro Pitimbu, zona sul de Natal, nesta terça.  A Polícia Militar foi acionada para dar segurança aos funcionários da companhia durante a desobstrução dos trilhos. Apesar do movimento dos trens, não houve acidente. Nenhum suspeito foi preso.

Aulas esvaziadas

Usuária do transporte público, a estudante de serviço social Suelen Lopes, 24, não está indo às aulas desde a sexta-feira (29) na Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Evita também sair de casa por falta de segurança, deixando de ir à padaria e ao comércio no bairro em que mora, na zona oeste de Natal. A decisão foi tomada depois que o terminal de ônibus localizado próximo a sua casa foi atacado por criminosos.

"Todo mundo está com sentimento de medo e insegurança constante. Todos evitam sair de casa por medo dos atentados, medo de estar num ônibus e de repente ter que sair correndo, num tumulto ou incêndio. Sair de casa ficou fora de cogitação, principalmente de ônibus. Não vou às aulas na faculdade, nem ao comércio por medo. É horrível", disse a estudante.

Os 13 campi do IFRN (Instituto Federal do Rio Grande do Norte) suspenderam as aulas nesta segunda e terça-feira devido às condições de insegurança que o Estado vem enfrentando. As aulas retornam nesta quarta-feira. Ontem e hoje, as aulas da UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte) terminam mais cedo, às 20h.

Professores foram orientados a não aplicarem provas ou registrar faltas dos estudantes que não compareceram às aulas no período. A Universidade do Potiguar, uma das maiores faculdades particulares do Estado, adiou o início do segundo semestre, programado para o dia 1º de agosto. As aulas começam na próxima quinta-feira (4).

O taxista de Natal Wendel Fernandes, 44, também relata a rotina de medo de ter de trabalhar mesmo no meio do caos que se instalou pela cidade. Mas ele adotou algumas medidas de segurança para diminuir o risco de ser vítima de crimes.

"Não faço lotação, como a prefeitura está orientando para que usuários de ônibus não fiquem sem transporte. A gente escolhe passageiros, evita pegar pessoas desconhecidas, pois a sensação de insegurança é grande com esses ataques. À noite eu rodo atendendo somente clientes cadastrados, mas mesmo assim, até certa hora. Infelizmente, outros colegas são obrigados a cumprir carga horária extensa para pagar o aluguel do carro e da praça e ficam se arriscando pegando passageiros desconhecidos. Até agora, não aconteceu nenhum ataque com taxistas, mas ficamos sempre em alerta e vamos avisando uns aos outros quando observamos algum passageiro suspeito tentando pegar táxi", disse Fernandes.

 

Arquivo pessoal
Wendel Fernandes, taxista de Natal

Um motorista de van, que trabalha em viagens de Mossoró a Natal há cerca de dez anos, relata a tensão de trabalhar em um veículo visado por criminosos para ser incendiado. Ele pediu para não ser identificado e contou que nunca passou por período extenso de medo como está vivendo desde a última sexta-feira.

 

"Saio de Mossoró com passageiros certos na viagem, mas mesmo assim evitei parar na estrada para pegar um ou dois passageiros que acenaram quando a van estava um pouco mais vazia nesses dias. Não posso deixar de viajar porque dependo dessas viagens para pagar minhas contas e sustentar a família. Por isso, até o horário de voltar mudei, tento sair de Natal às 16h para não ficar muito tempo na estrada à noite. A viagem toda é pensando na defensiva, de como vou agir em caso de ataque ao meu carro", contou o motorista.

Sem show e sem serviços

Temendo sofrer ataques criminosos, motoristas e cobradores de ônibus recolhem os ônibus desde a sexta-feira (29) para evitar depredações, vandalismos e outros tipos de ataques. Nas tardes de sábado (30) e domingo (31) nenhum coletivo saiu das garagens. O serviço foi restabelecido nesta segunda-feira (1º) pela manhã, após a garantia do governo do Estado de que policiais militares fariam escoltas, porém as últimas viagens ocorreram às 21h.

Nesta terça-feira (2), o serviço funcionou normalmente durante o dia, mas o Seturn (Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários do Rio Grande do Norte) já comunicou que rodoviários devem recolher os veículos às 21h30.

O serviço de recolhimento de lixo e limpeza das ruas de Natal também chegou a ser suspenso no fim de semana. A medida foi tomada após dois carros da Urbana (Companhia de Serviços Urbanos de Natal) terem sido atacados no sábado. Algumas áreas de Natal chegaram a ficar com lixo espalhados pelas ruas, porém, nesta terça-feira, todo o serviço foi restabelecido.

A banda Jota Quest cancelou o show que realizaria na Arena das Dunas, no próximo sábado (6). A organização do evento alegou que a decisão foi tomada pela insegurança que atinge Natal nos últimos dias. O show será reagendado, mas ainda sem data confirmada. 

Prisão e fugas

A Polícia Civil informou nesta terça-feira (2) que prendeu um homem apontado como um dos líderes da facção criminosa Sindicato do Crime do RN, acusada de ordenar a série de atentados que vêm ocorrendo em Natal e cidades do interior do Estado.

Segundo Clayton Pinho, delegado-geral da Polícia Civil, Daniel Silva Carvalho, 29, cumpria pena no regime semiaberto no RN e foi preso usando uma tornozeleira eletrônica. Ele não reagiu à ordem de prisão.

cinco presos apontados como líderes de facção e acusados de ordenar a série de ataques criminosos foram transferidos para o presídio federal de Mossoró nesta segunda-feira (1º). Nos próximos dias, ainda serão transferidos outros 20 acusados de participar da articulação dos ataques. De acordo com o governador Robinson Faria (PSB) a transferência do restante do grupo aguarda apenas trâmites burocrático com o Depen (Departamento Penitenciário Nacional).

Por outro lado, 14 presos escaparam do Centro de Detenção Provisória da Ribeira, em Natal, na madrugada desta segunda-feira (1º). 

 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos