PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

PF apura se munição da corporação foi usada em assassinato de Marielle

16.mar.2018 - Peritos identificaram que carro onde estava Marielle foi atingido por nove disparos - Pablo Jacob/Agência O Globo
16.mar.2018 - Peritos identificaram que carro onde estava Marielle foi atingido por nove disparos Imagem: Pablo Jacob/Agência O Globo

Do UOL, no Rio*

16/03/2018 13h13

A Polícia Federal abriu inquérito nesta sexta-feira (16) para apurar se a munição calibre 9 mm usada no assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e de seu motorista, Anderson Pedro Gomes, na noite de quarta-feira (14) no Rio, é de lote vendido para a própria organização em 2006. 

A instituição informou, por meio de nota, que vai apurar a origem da munição e as circunstâncias envolvendo as cápsulas encontradas no local da morte da vereadora carioca. A informação de que a munição usada pelos criminosos pertence a um lote vendido à PF foi revelada pela TV Globo. Uma fonte ligada à investigação confirmou o fato ao UOL.

A reportagem também procurou a Polícia Civil, que ainda não se manifestou de forma oficial sobre o tema.

Segundo a TV Globo, a perícia da Divisão de Homicídios apontou que o lote de munição UZZ-18 é original, ou seja, ela não foi recarregada. O lote de munição teria sido vendido à PF de Brasília pela empresa CBC (Companhia Brasileira de Cartuchos) no dia 29 de dezembro de 2006, com as notas fiscais número 220-821 e 220-822. O UOL também tenta contato com a CBC.

Marielle e Anderson foram mortos com balas calibre 9 mm, que não podem ser vendidas à população. Esse tipo de munição só pode ser adquirida legalmente por colecionadores, atiradores esportivos e forças de segurança. Porém, é comercializada com poucas restrições no Paraguai e entra no Brasil ilegalmente para abastecer o mercado negro.

Balas do mesmo lote usadas em chacina de Osasco

Um dos delegados que investigou a maior chacina de São Paulo, quando 23 pessoas foram assassinadas a tiros em agosto de 2015, confirmou ao UOL, nesta sexta que munições calibre 9 mm, do lote UZZ-18, adquirido pela Polícia Federal entre 2006 e 2008, haviam sido encontradas ao lado dos corpos à época.

"De fato, esse lote foi vendido para a PF de Brasília, se não me engano, entre o fim de 2006 e o início de 2007", afirmou o delegado paulista, que pede para não ser identificado sob o argumento de que o caso da Grande São Paulo foi "um pesadelo" em sua vida.

Atual corregedor da PM (Polícia Militar) de SP, o coronel Marcelino Fernandes informou que, apesar da constatação do mesmo lote, isso não significa que forças de segurança foram as autoras da morte de Marielle e de seu motorista, Anderson Gomes.

"O que você tem de lote extraviado... É apenas um indício de que pode ser de forças regulares. Eu já tive situação em que o executor atirou com o revólver 38. Na sequência, ele deixou no local do crime cápsulas de .40, da PM, mas ele não esperava que isso estava sendo gravado por uma câmera de uma loja de tintas", exemplificou.

Caso Marielle: envolvimento de 2º carro em apuração

A Polícia Civil investiga a possibilidade de um segundo veículo ter participado do assassinato da vereadora carioca. Imagens das câmeras de segurança próximas ao local em que ela e o motorista foram mortos trazem indícios de que um segundo veículo deu cobertura aos criminosos que estavam no veículo do qual partiram os disparos.

Segundo apuração do UOL, imagens de câmeras próximas ao local do crime também mostram, de acordo com informações da Polícia Civil, que a placa de um dos carros envolvidos no crime é de Nova Iguaçu, cidade da Baixada Fluminense. A polícia suspeita que a placa foi clonada.

Marielle percorreu cerca de 4 km até ser abordada no Estácio, na região central do Rio. Todos os tiros foram disparados contra a parte traseira do carro, lado direito, onde a defensora de direitos humanos estava sentada. Como os vidros do veículo são escuros, a polícia crê que os criminosos seguiram Marielle e sabiam exatamente onde atirar. 

A vereadora morreu imediatamente após ser atingida por quatro tiros na cabeça. Nada foi roubado, e os criminosos fugiram. O motorista levou três tiros. Uma assessora que também estava no carro teve ferimentos leves. A principal hipótese dos investigadores é de crime premeditado.

*Com reportagem de Carolina Farias, Luís Adorno e Paula Bianchi

Cotidiano