Topo

Vereador, PM e ex-PM são investigados por morte de Marielle, confirma Jungmann

Luciana Amaral

Do UOL, em Brasília

10/05/2018 15h46Atualizada em 10/05/2018 16h02

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, confirmou nesta quinta-feira (10) que os homens apontados por uma testemunha do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, segundo o jornal O Globo, são investigados pela polícia e demais autoridades envolvidas na resolução do caso.

De acordo com o jornal, uma testemunha depôs que no carro dos assassinos havia um policial militar do 16º batalhão (Olaria), um ex-PM da Maré e outros dois homens. A testemunha é a mesma que afirmou que o vereador Marcello Siciliano (PHS) e o ex-PM Orlando Oliveira de Araújo, conhecido como Orlando Curicica, foram os mandantes do crime. Todos negam qualquer envolvimento no assassinato.

Em carta, Curicica, que é apontado como miliciano e está preso, também negou ter participado do assassinato. O jornal não revelou a identidade da testemunha, disse apenas que ela trabalhava para a milícia de Curicica e que resolveu delatar em troca de proteção.

“O que eu posso dizer é que estes e outros todos são investigados e que a investigação no caso Marielle está chegando na sua etapa final. Eu acredito que em breve nós vamos ter resultados”, declarou Jungmann ao ser questionado pelo UOL.

O ministro lembrou ter falado à imprensa pouco depois do assassinato da vereadora e de seu motorista que “tudo apontava para milícias”, mas disse não haver conclusões sobre a participação das mesmas no crime.

“Não estou dizendo que são esses especificamente. Agora, tenho dois níveis que tenho de observar. Um é o nível do jornalismo e suas informações, que evidentemente têm de ser investigadas. E outra é a própria investigação em si sobre a qual a gente, por óbvios motivos, não tem como ficar aqui comentando”, afirmou.

Na tarde desta quinta, Jungmann foi ao Palácio do Planalto junto à cúpula da intervenção federal no Rio de Janeiro para apresentar um balanço das ações ao presidente Michel Temer (MDB). Segundo o ministro, eles também informarão a Temer o andamento da investigação do assassinato de Marielle e Anderson Gomes.

De acordo com o Planalto, além de Temer e Jungmann, participam do encontro o ministro da Defesa, general Joaquim Silva e Luna, o secretário-executivo do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, general Freire Gomes, o interventor federal no Rio, general Walter Braga Netto, e o secretário de segurança pública do Rio, general Richard Nunes.

Vereador nega envolvimento na morte de Marielle Franco

Band Notí­cias

Cotidiano