Topo

Após mãe investigar assassinato de primogênito, Promotoria acusa PMs de SP

Tatiana Lima e Silva segura celular com foto de seu filho Peterson Silva de Oliveira, morto por policiais militares em SP - 08.mai.2019 - Simon Plestenjak/UOL
Tatiana Lima e Silva segura celular com foto de seu filho Peterson Silva de Oliveira, morto por policiais militares em SP
Imagem: 08.mai.2019 - Simon Plestenjak/UOL

Luís Adorno

Do UOL, em São Paulo

25/09/2019 04h00

Resumo da notícia

  • MP denuncia dois PMs por homicídio qualificado e fraude processual em crime de 2017
  • Denúncia ocorreu após mãe de vítima ter feito investigação paralela
  • Policiais afirmam que jovem atirou contra eles; promotor diz que versão é falsa

O MP (Ministério Público) denunciou dois policiais militares de São Paulo por homicídio qualificado e fraude processual. A acusação ocorreu graças à investigação feita pela própria mãe do jovem morto.

A apuração paralela elucidou dúvidas e apontou que seu filho havia sido vítima de um assassinato, sem troca de tiros. O caso ainda não foi apreciado pela Justiça de São Paulo, mas os PMs estão afastados do patrulhamento.

Na noite de 14 de janeiro de 2017, o estoquista Peterson Silva de Oliveira, 18, foi morto com um tiro na nuca, no Jardim São Luiz, zona sul da capital paulista, enquanto policiais militares dispersavam jovens que estavam em uma festa.

Testemunhas que estavam no local foram ouvidas pela Polícia Civil e contaram a mesma versão: os policiais dispararam bombas de efeito moral contra as pessoas, para a dispersão, dirigiram a viatura em alta velocidade e dispararam um único tiro. Após o barulho, os jovens correram e houve o segundo disparo, atingindo Peterson.

Os policiais militares acusados, cabo Willian José Pinto e soldado Ricardo Awazu Fidelis Silva, dizem, no inquérito, que atiraram porque Peterson atirou contra eles primeiro. Segundo todas as testemunhas, a versão policial é falsa.

Reprodução de como Peterson foi morto por PMs na zona sul de SP em janeiro de 2017 - Reproodução/Inquérito Policial
Reprodução de como Peterson foi morto por PMs na zona sul de SP em janeiro de 2017
Imagem: Reproodução/Inquérito Policial

O responsável pela acusação é o promotor Enzo de Almeira Carrara Boncompagni, do 3º Tribunal do Júri da capital. Segundo a denúncia, o cabo Pinto foi o responsável pelo tiro que atingiu Oliveira. "O crime foi praticado com emprego de recurso que dificultou a defesa da vítima, a qual estava correndo no sentido contrário da guarnição", aponta o promotor.

Ainda segundo a acusação, o cabo Pinto e o soldado Silva "intrujaram" um revólver calibre 38, com numeração raspada, ao lado do corpo de Oliveira para induzir a investigação a crer que houve troca de tiros, não um homicídio. A denúncia foi recebida pela Justiça no dia 12 de setembro.

A SSP (Secretaria da Segurança Pública) informou que o inquérito policial, em caráter sigiloso, se encontra em fase final de investigação. "Após análise de diversos elementos, como depoimentos de testemunhas e laudos periciais, a autoridade policial determinou o indiciamento do policial militar envolvido na ocorrência por homicídio qualificado."

Tatiana Lima e Silva segura o chapéu de Peterson Silva de Oliveira, seu filho - 08.mai.2019 - Simon Plestenjak/UOL
Tatiana Lima e Silva segura o chapéu de Peterson Silva de Oliveira, seu filho
Imagem: 08.mai.2019 - Simon Plestenjak/UOL

Para que as autoridades chegassem a essa conclusão, a mãe de Peterson, Tatiana Lima e Silva, 39, teve de fazer uma investigação paralela. Em depoimento cedido ao UOL no Dia das Mães deste ano, ela afirmou que foi tratada como "mãe de bandido" durante parte da investigação, mas que, depois de convencer que estava certa, policiais civis apoiaram sua busca por justiça.

"As câmeras ou não gravavam ou estavam desligadas. Pedi para todas as testemunhas do caso prestarem depoimento sobre o que de fato viram. Eu que fui atrás de todas as testemunhas. De todas. E eu as levei até o DHPP (Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa). Foram seis. De imediato, todos já se propuseram a depor", disse.

A advogada Rachel Amato, que defende a família, afirmou que, pela denúncia, os acusados devem ir a júri. "Essa denúncia reflete o que foi apurado na investigação. Esperamos que, ao final, se entenda que eles são os culpados e que isso represente um símbolo para outros casos de violência policial", afirmou.

Letalidade policial e crimes contra a mulher: os dados da violência no Brasil

UOL Notícias

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Segurança pública